Startups aceleradas pelo InovAtiva captam R$ 39 milhões em investimentos

Pesquisa do Sebrae divulgada na Campus Party mostra que processo de aceleração ajuda empresas a buscar recursos, aumentar faturamento e contratar mais

Participar de programas de aceleração pode ser a estratégia ideal para que empresas inovadoras iniciantes possam aprimorar seu modelo de negócios e atingir rapidamente a atenção de investidores, conquistar mais consumidores e um maior faturamento. Dois terços das startups aceleradas pelo InovAtiva Brasil afirmam que aumentaram seu valor de mercado em pelo menos 50% depois de passarem pelo programa.

Os dados são de uma pesquisa do Sebrae sobre o programa de aceleração InovAtiva Brasil, que foi divulgada nesta quarta-feira (1º de fevereiro) na Campus Party. O estudo entrevistou 114 empresas que participaram do programa entre 2013 e 2015, 61% das 186 aceleradas nesse período. Nesse grupo, que teve ao menos um ano de evolução após a aceleração, o estudo mostrou uma valorização média das startups no mercado de 228%.

O InovAtiva é realizado desde 2013 pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e, desde 2016, conta com a co-realização do Sebrae. Nesses quatro anos, foram 415 startups aceleradas de 23 Estados em todas as regiões do país, espalhadas em 101 municípios. Todas essas empresas passaram por quatro meses de capacitação online, mentorias individuais e eventos presenciais de treinamento e conexão com potenciais investidores, clientes e parceiros.

Um dos destaques da pesquisa é em relação aos investimentos recebidos pelas startups aceleradas entre 2013 e 2015. Quase metade das empresas desse grupo conseguiu captar recursos de aceleradoras privadas, investidores anjo, fundos de investimento e linhas de fomento e subvenção. No total foram R$ 39,1 milhões de reais captados, valor quase 8 vezes maior que os R$ 5,1 milhões investidos pelo MDIC no programa no mesmo período.

As empresas aceleradas também têm maior índice de contratação. Mesmo em um momento de recessão da economia brasileira e desemprego recorde, conforme divulgado pelo IBGE no dia 31 de janeiro, as startups do InovAtiva aumentaram em média 71% o quadro de funcionários – em média, cada empresa acelerada contratou 2,8 funcionários desde a passagem pelo programa.

Desempenho semelhante foi verificado em relação ao faturamento das startups aceleradas. A pesquisa mostra que 43% das empresas entraram no programa sem registrar faturamento, e apenas 18% tinham vendas anuais acima de R$ 200 mil. Em 2016, 14% fecharam o ano sem vendas, e 43% faturaram mais de R$ 200 mil – quase 15% delas acima de R$ 1 milhão anual.

O Secretário de Inovação e Novos Negócios do MDIC, Marcos Vinícius de Souza, afirmou na apresentação que o foco do programa é quem comparece à Campus Party. “Quem está aqui e é da área de tecnologia tem ideias fantásticas, mas falta o conhecimento de mercado. O InovAtiva vai prepará-los para o ambiente de negócios e colocá-los em contato com investidores nacionais e internacionais”. Ele lembrou que as inscrições para a primeira edição deste ano estão abertas até 20 de fevereiro.

A Diretora Técnica do SEBRAE, Heloisa Menezes, também participou da apresentação da pesquisa e destacou que há grandes talentos na Campus Party e é de extrema importância para o Sebrae transformar os serviços e produtos em soluções de negócios. “Para nós a parceria com o InovAtiva é fundamental pois podemos somar nossas forças com empreendimentos incríveis para promover o crescimento digital”, comentou Heloisa.

Incluindo as empresas participantes da primeira edição do InovAtiva 2016, a pesquisa mostra a avaliação que os empreendedores fazem do programa. Mais de 78% afirmam que recomendam o InovAtiva Brasil a outros empreendedores, resultando em um Net Promoter Score de 75. O estudo ainda traça ainda um perfil dos empreendedores, que na maioria são homens (87%), de 25 a 44 anos (79%) e têm curso superior completo (43%) ou pós-graduação (44%).

O segmento de Tecnologia da Informação e Comunicação é o que se destaca entre as empresas ouvidas (38%), seguido por educação (10%), agronegócios (8%) serviços (7%) e saúde (7%). Do total, 86% são voltadas para atender outras empresas (B2B), 37% o consumidor final (B2C) e 22% o governo (B2G).

Confira aqui a pesquisa completa.

Assista ao vídeo de divulgação da pesquisa

Sobre o InovAtiva

Criado em 2013, o InovAtiva Brasil é um programa gratuito de aceleração de negócios inovadores iniciantes de qualquer setor, realizado pelo MDIC e Sebrae com execução da Fundação CERTI. Somente em 2016, em duas edições, o programa recebeu mais de 2,5 mil inscrições e selecionou 600 empreendimentos em todo o país para a primeira etapa de capacitação e mentoria. Dessas selecionadas, 229 concluíram o programa e se conectaram com o mercado no ano passado. Em cada ciclo o programa seleciona até 300 startups para a Etapa 1, acesse o cronograma no link e participe.

Compartilhar