Neurociência para entender o consumidor

Pioneira em neuromarketing no Brasil, a Forebrain usa neurociência para entender o consumidor. Para identificar emoções não verbalizadas, que poderão determinar o sucesso ou o fracasso de determinada campanha, utilizam-se técnicas como Eletroencefalografia, Eye tracking, Pupilometria, Eletrocardiografia, Tempo de reação, Salivação, Eletromiografia facial, Sudorese e Economia comportamental.

A startup carioca entrou no mercado em 2012, após receber um aporte que permitiu a compra de equipamentos para seu primeiro laboratório. Criada por Billy Nascimento e Ana Souza em 2010, a empresa foi constituída na incubadora de empresas COPPE, da UFRJ. Lá, foram incentivados a continuar com o projeto e até receberam bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para contratar pesquisadores.

Vendo a imaturidade do Brasil na área em que estavam tentando se inserir, em 2013 os sócios se
inscreveram para participar da primeira edição do programa InovAtiva Brasil. “A gente se questionava se valia a pena ou não continuar com o negócio, mas lá vimos claramente que estávamos pensando certo. Só era preciso paciência para construir esse mercado de uma maneira muito mais devagar do que a gente imaginava”, conta Nascimento.

De acordo com ele, o programa foi um divisor de águas para a startup, pois após serem eleitos como destaque da edição, ganharam uma vivência dentro do Vale do Silício, onde comprovaram que a ideia definitivamente não era uma loucura.

“Para desenvolver um negócio de alto impacto, com uma tecnologia robusta e inovação no Brasil, é preciso ter feeling para entender o que você está criando, aonde quer chegar e como fazer para isso. Eu acho que esse é um componente fundamental do programa. Fora o networking, as mentorias são fundamentais para quem está começando e ajudam a validar as inspirações, tangibilizar um pouco mais essas ideias para sair do papel e fazer com que a empresa decole”, completa o sócio.

Hoje, com 8 anos de existência, a Forebrain está estabelecida no mercado, atuando com clientes como TV Globo, O Boticário, Banco Santander, Porto Seguro, entre outros. Sua abordagem diferenciada e mensuração científica permitiram que esses grandes grupos identificassem a reação dos consumidores frente a produtos, comunicação e embalagem para, então, aplicarem melhorias nas áreas de Desenvolvimento de Produtos, Marketing e Comunicação, Mídia, Merchandising e PDV.

Conheça as startups que estão inovando na área da saúde

A tecnologia tem transformado o mundo. Nas últimas décadas, o que têm ganhado destaque são as ideias inovadoras que revolucionam o mercado empreendedor. Um setor que cresce bastante é o de saúde. As startups desse setor têm desenvolvido tecnologias que não só prolongam a vida, mas propõem melhor qualidade. Algumas possuem soluções que vão desde a conexão entre médico e paciente, até projetos que envolvem inteligência artificial, realidade virtual e impressão 3D.

Entre as 123 empresas finalista da aceleração 2017.2 do InovAtiva Brasil, 20 são da área da saúde, o que equivale a 16% das startups participantes. É o segundo setor com mais empresas, o primeiro é o de Tecnologia da informação e Comunicação. O setor de saúde tem se destacado bastante nos últimos anos e muitas empresas apostam neste segmento.

A Anatolab, do Paraná, é uma das finalistas do InovAtiva. Ela desenvolve produtos e modelos simuladores do corpo humano que auxiliem no ensino de cursos da área da saúde. A proposta da empresa é criar modelos interativos que facilitem a aprendizagem dos alunos, como simuladores do movimento da musculatura, dos sistemas respiratório e circulatório, entre outros que possuam um diferencial se comparado com os modelos atuais.

A startup Bomédico, do Rio Grande do Norte, também é do setor de saúde. Sua plataforma trabalha na redução do tempo de espera dos pacientes em dias consulta e otimização de atendimentos médicos. Marca consultas de forma prática e direciona o paciente ao especialista mais próximo. Seu objetivo é levar praticidade ao usuário.

Em Minas Gerais, a Medintime conecta instituições de saúde e fornecedores, facilitando o trabalho repetitivo e manual das negociações em cotações. O diferencial da empresa é a preocupação em alinhar as demandas momentâneas das instituições de saúde com as melhores ofertas dos fornecedores parceiros.

Com o setor em alta e cheio de ideias inovadoras, as empresas acabam conquistando e atraindo muitos investidores e parceiros que acreditam e incentivam o crescimento deste segmento. Acompanhe durante o final de semana as redes sociais do InovAtiva, vamos publicar muita informação sobre o Bootcamp e Demoday.

>>>>>>Facebook

>>>>>>LinkedIn

>>>>>>Twitter

PickCells realiza diagnósticos através de visão computacional

A PickCells, de Recife, é um dos grandes destaques quando se trata de automação em pesquisas laboratoriais. Ela faz diagnósticos com a utilização da visão computacional, trabalhando com um dispositivo que captura imagens e envia para a nuvem, para que então seus algoritmos possam identificar e direcionar em qual segmento o laboratório deve trabalhar. A ferramenta funciona em tempo real, e é capaz de simplificar o trabalho dos profissionais de saúde e prestar apoio na conduta terapêutica médica.

Através da plataforma é possível realizar diversas linhas de pesquisa e customizar soluções para diferentes tipos de doenças. Além de detectar inúmeros diagnósticos através do reconhecimento de agentes biológicos como vírus, bactérias ou parasitas. Paulo Melo, CEO da PickCells reconhece a praticidade do dispositivo. “Nossa solução propicia a otimização da rotina de trabalho, redução de custos e até a preservação da saúde do quadro funcional, em laboratórios de análises clínicas e demais serviços de saúde. É uma saída muito prática”, destaca.

A startup foi um dos destaques do ciclo de aceleração de 2017.1 do InovAtiva Brasil, ficando entre as empresas finalistas. Paulo relembra como foi este processo. “Participar do programa InovAtiva foi incrível. Ganhamos visibilidade, tivemos contatos com grandes mentores, conversamos com pessoas importantes dentro do nosso segmento de trabalho, onde foi possível enxergar algumas oportunidades adicionais. Este período foi importante para o nosso crescimento”, comenta.

Para o CEO, um dos momentos mais marcantes foram as mentorias, que os ajudaram no processo de preparação do Picth. “As mentorias nos fizeram ser mais atenciosos e criteriosos com o nosso trabalho. Passamos a nos estruturar melhor como empresa e focar no produto que desenvolvemos. Isso fez com que pudéssemos desempenhar um bom picth no Demoday, em São Paulo”, relembra Paulo.

Atualmente a empresa está em fase final de negociação com investidores. Em 2018 a PickCells tem o objetivo de entrar no mercado e disseminar seu trabalho, para num futuro próximo poder levar mais mobilidade e funcionalidade a mais pesquisas.

No dia 11/12/2017 acontecerá o Demoday do ciclo de 2017.2, fique ligado em nossas redes sociais para acompanhar os destaques!

Startup mineira que passou pelo InovAtiva Brasil é destaque no programa de aceleração Darwin Starter

A Mercatório, de Belo Horizonte, é uma empresa que tem como propósito ser uma central de Precatórios, que são pedidos de pagamento expedidas pelo Judiciário. Seu trabalho vem ganhando destaque no mercado de startups. Finalista do InovAtiva Brasil no ciclo 2017.1, atualmente a empresa participa da aceleração do Darwin Starter, e pelo seu desempenho, foi uma das cinco selecionadas para fazer um Pitch para investidores, no dia 28 de novembro, no Cubo em São Paulo.

Durante a fase final do programa InovAtiva, a Mercatório foi selecionada para o Darwin Starter, aceleradora parceira do InovAtiva e que tem cede em Florianópolis. O CEO da Mercatório, Gabriel Moterani destaca como foi essa experiência. “Estávamos finalizando uma e começamos em outra. Lá no Darwin conseguimos nos conectar com parceiros estratégicos, tivemos mentorias com pessoas chave no ecossistema de startups como Exact Sales, RD Station e Rafael Assunção, que foi um dos finalistas como melhor mentor no Startup Awards. Agora estamos processando tudo que aprendemos para fazer um bom Pitch, em São Paulo”, comenta.

Recentemente, a Mercatório firmou sua primeira rodada de investimentos durante o FIEMG Lab for Investors, em maio. Um dos investidores é João Kepler, sócios na Bossa Nova Investimentos, empresa focada em oferecer capital em startups B2B que geram receita e possuem capacidade de escalar. A Bossa Nova Investimentos adquiriu o direito de uma cota de 4 a 5% da Mercatório, cujo valuation atual é de 1,2 milhão de reais.

Gabriel revela que passagem pelo programa InovAtiva Brasil contribuiu para o crescimento da empresa, e relembra também o contato que tiveram com outras startups. “O InovAtiva foi muito importante para nós. Pudemos pensar mais na empresa e conseguimos alinhar várias vertentes internas, para que hoje pudéssemos realizar um trabalho bem feito. Conhecemos várias startups, de vários lugares do país. Algumas delas se tornaram nossas fornecedoras e parceiras”, ressalta Gabriel.

Um momento marcante para o CEO foi o Demoday InovAtiva, por ser um momento onde os empreendedores puderam apresentar seus projetos para uma banca de possíveis investidores. “Foi um dos momentos mais memoráveis. Os mentores do bootcamp final nos ajudaram muito com o feedback que recebemos. Desse momento está vindo um fruto, uma das parcerias que estamos quase fechando foi por indicação de um desses mentores”, relembra.

Além da apresentação do Pitch, em São Paulo, em dezembro, outra novidade é que a startup, após muitas pesquisas, se prepara para lançar um portal voltado a educação de mercado, o Meu Precatório. Través dele será possível tirar todas as dúvidas dos donos de Precatórios em uma linguagem mais acessível. Centralizando e organizando todos os documentos e informações dos credores.

Startup de Campinas se destaca com trabalho de tecnologia em plasma

A Surface, de Campinas-SP, é pioneira em tratamentos de superfícies em plasma no Brasil. O trabalho da startup tem como base o desenvolvimento de equipamentos tecnológicos de alto nível em adesivação. A empresa também realiza o teste de funcionamento do produto com o apoio de universidades e centro de pesquisa, por meio de uma cooperação científica. Atualmente, a startup está em estágio de validação do produto e se conectando a grupos de investidores.

O material utilizado pela startup é um tipo de plasma em estado energético que o gás atinge – neste caso ar comprimido – e que pode ser combinado com energia elétrica com padrões, potência, frequência e formato específicos. O plasma, ao entrar em contato com superfícies, transfere uma energia e o material muda suas propriedades de adesão, podendo ser adesivados ou pintados após o tratamento. A inovação faz uso de uma tecnologia seca e sem contato já que não possui descarte e não polui, tendo em vista que o insumo consiste apenas em ar comprimido e energia elétrica.

Durante sua passagem pelo InovAtiva Brasil, a Surface conseguiu expandir seu networking e ter um preparo para se aproximar de possíveis investidores, como destaca Bruno Bellotti, CEO da empresa. “Ficar entre as finalistas no programa fez com que crescesse o assédio com nossa startup, criando um interesse no nosso negócio. O programa nos aproximou de investidores e fez crescer nossa rede de contatos. Vale ressaltar o preparo que recebemos para agir nessas situações”, relembra.

As informações obtidas nas mentorias, durante a aceleração, ampliaram novos horizontes para a empresa. “Tivemos contato com mentores renomados e cursos essenciais. Pudemos organizar melhor a forma de trabalho da empresas e focar no nosso plano de negócio. Hoje estamos bem mais estruturados. O InovAtiva Brasil certamente abriu portas que estavam ocultas para nossa empresa”, comenta o CEO.

Atualmente a Surface trabalha para continuar crescendo no mercado e tem recebido propostas de investimento de grupos nacionais e internacionais. A empresa continua em busca de novos recursos e meios de aprimorar seus serviços, aproximando de seu público-alvo.

Startup catarinense ajuda alunos a terem um bom desempenho na redação dos vestibulares

Santa Catarina é um celeiro de empresas inovadoras que se destacam no mercado nacional e internacional, e a startup Redação Online é prova disso. Através dela, alunos do Brasil inteiro podem ter seus textos revisados por professores experientes que fazem correção gramatical, com base nas bancas dos principais vestibulares do país. Ao final, os alunos recebem uma avaliação com pontuação e comentários, expondo os pontos que precisam ser melhorados para atingir a nota máxima em sua redação.

Segundo Otávio Pinheiro, CEO da startup, a cada dez alunos que entram na plataforma, oito aumentam sua pontuação em provas como o ENEM. “Nosso time de professores e especialistas é bem rígido. Em cada correção, eles dão dicas para os alunos e com isso podemos ver uma melhora no que é enviado. Isso é extremamente importante para provar que o nosso negócio vale a pena”, comenta.

A Redação Online atende no mercado B2B alunos de todo o Brasil, e no mercado B2C, escola, cursos preparatórios, sistemas de ensino e cursos online. A empresa teve sua primeira participação em um programa de aceleração através do InovAtiva Brasil. “Nunca participamos de algo do tipo.​ Aprendemos muito com as aulas da plataforma, webinars, as mentorias que foram essenciais para o nosso desempenho no Demoday, em São Paulo”, relembra Otávio.

A participação no programa fez a empresa reavaliar seu modelo de negócio e expandir o networking. “O InovAtiva nos fez entender melhor o nosso negócio, focamos nas melhorias indicadas durante o programa e principalmente começamos nos relacionar nacionalmente com várias instituições, inclusive possíveis conversas para parceria estão acontecendo atualmente” finaliza o CEO.

Entre as 12 finalistas do programa InovAtiva, no ciclo 2017.1, a startup se destacou na área da Educação. Atualmente, foi escolhida pela Fundação Lemann como talento da Educação. No último trimestre, a Redação Online cresceu 100% no mercado B2C e 65% no mercado B2B, com aumento do tráfego no portal de 300%.

Startup mineira na Missão Startups Brasil-Argentina 2017

As grandes exigências do mercado relacionadas a qualidade e confiabilidade dos produtos fizeram com que a empresa mineira Safe Trace desenvolvesse soluções de rastreabilidade de alimentos. Os produtos recebem uma etiqueta com um código e através da plataforma, as grandes empresas podem monitorar o produto, ter um controle dos processos de distribuição e assegurar o controle de qualidade dos alimentos. O excelente trabalho da empresa rendeu uma vaga na Missão de Startups Brasil-Argentina 2017.

Vasco Varanda Picchi, CEO da empresa, destaca a expectativa em poder participar de um projeto de imersão como a missão de startups. ”Para nós, será uma grande oportunidade de apresentar nosso trabalho em outro país. Esperamos poder nos destacar e trazer bons frutos para a empresa. Estamos ansiosos e continuamos trabalhando muitos para o nosso crescimento no Brasil”, ressalta.

Diversas empresas como Carrefour, Walmart e GPA (Pão de Açúcar), têm adotado esse tipo de serviço de rastreabilidade para aprimorar sua produtividade e tentar ficar à frente dos concorrentes. E na Safe Trace, as empresas conseguem monitorar os alimentos e terem transparência de que o produto está de acordo com as normas socioambientais e sanitárias.

A empresa foi finalista do ciclo de aceleração 2017.1 do InovAtiva Brasil. Para o CEO, o programa foi fundamental para validação do modelo de negócio. “Nas mentorias definimos todo o planeamento estratégico para os próximos 3 anos. Todo o processo no InovAtiva foi fundamental para validar modificações recentes e também para revisitar pontos importantes da estratégia de expansão”, comenta.

Após a passagem pelo InovAtiva, além da Missão Startups Brasil-Argentina, a empresa vem numa crescente relevante. Atualmente se prepara para lançar novos produtos e esteve em fase de negociação com possíveis investidores.

Veja o depoimento do CEO, no fórum de agronegócio realizado pela Exame

Startup de jogos on-line incentiva jovens a se prepararem para o ENEM

A startu´p capixaba MITO GAMES desenvolveu uma plataforma para ajudar os estudantes a se prepararem para o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) de forma eficiente e divertida. Com mais de 100 mil cadastros, o ENEM GAME é um dispositivo multiplayer online que pode ser acessado através do celular ou do computador, onde os usuários participam de desafios simultâneos respondendo questões didáticas e pontuando nos rankings do jogo.

A plataforma possui semanalmente 35 mil usuários ativos e cerca de 600 novos inscritos por dia. O jogo estimula o jovem a colocar em prática tudo que aprendeu em sala de aula através de um quiz e ao mesmo tempo os faz aprender coisas novas. Ela também é uma forma de fazer com que o estudante conheça os principais vestibulares, já que as questões disponíveis são de provas aplicadas pelas grandes universidades do país.

Além do sucesso do aplicativo no meio estudantil, recentemente a startup passou por um momento de muito aprendizado e amadurecimento no InovAtiva Brasil. Para Rafael Lontra, diretor dos produtos MITO GAMES, participar do programa foi muito importante para a evolução da empresa. “Muitas informações que não estavam bem definidas, conversadas ou pensadas foram saindo e passaram a estruturar um projeto muito mais robusto. O aprendizado foi imenso e sentimos que a empresa, os sócios e o produto evoluíram muito”, comenta.

Ficar entre as finalistas no InovAtiva trouxe a empresa mais reconhecimento e despertou interesse de alguns investidores. Rafael atesta a importância das mentorias oferecidas pelo programa. “Acredito que as dicas dos mentores foram fundamentais para o nosso desempenho durante as conversas com investidores. Podemos analisar as propostas e escolher o que é melhor para nossa empresa”.

Atualmente a empresa segue estudando sua atuação no mercado e também está participando do Sinapse da Inovação, no Espírito Santo, e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP). Com apoio do Banco do Estado do Espirito Santo (BANESTES), CNA (Escola de Inglês), Instituto Phorte Educacional, Centro Universitário FAESA e Rede Gazeta, a meta da startup até o final de 2017 é gerar uma receita de R$500 mil.

Startup Aquarela conquista investimento do Fundo Aeroespacial com solução de Big Data

Após passar por diversos programas de fomento e aceleração, a catarinense Aquarela Inovação Tecnológica do Brasil foi uma das startups selecionadas para receber recursos de fomento do Fundo Aeroespacial. O valor inicial do aporte é de 131,3 milhões para ser dividido entre dez empresas selecionadas. O investimento será destinado a startups com faturamento bruto de até R$ 200 milhões/ano, de todo o Brasil.

A ideia central do programa é a de investir e fortalecer os setores aeronáutico, segurança, defesa e integração de sistemas por meio de apoio às pequenas e médias empresas. O projeto é idealizado pela Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP), em parceria com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o BNDES e a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer).

Para Joni Hoppen, sócio fundador e diretor de operações da Aquarela, a meta é utilizar o apoio do fundo para expansão comercial e aperfeiçoamento do projeto VORTX Big Data. “A plataforma foi concebida em nove anos de pesquisa. Ela utiliza a própria inteligência artificial para se ajustar aos dados dos clientes e encontrar pontos de melhoria. Com o aporte, poderemos desenvolver ainda mais esse sistema”, comenta.

Com os recursos aportados, a startup também pretende acelerar seu processo de expansão comercial no país e avançar no desenvolvimento de produtos setoriais em análise de dados. A proposta é consolidar a indústria 4.0 no país através criação de módulos de integração com as áreas de Planejamento dos recursos da empresa, gestão de relacionamento com o cliente, entre outros.

A Aquarela passou pelo InovAtiva Brasil em 2015 e ficou entre as 15 mais bem preparadas de acordo com os investidores presentes. Hoppen destaca que as mentorias e cursos oferecidos no programa preparam os empreendedores para encarar os desafios o mercado. “O programa te dá uma exposição muito grande. São cursos e mentorias que nos preparam para as dificuldades e oportunidades no mercado. Faz você sair da sua zona de conforto e te leva a um amadurecimento empresarial muito significativo”, finaliza Joni.

Desde a sua fundação, a startup passou por grandes experiências em programa de aceleração, incubadoras e fomento. Foi incubada pelo MIDI Tecnológico, ACATE e programa SebraeTec. Foi finalistas nas maiores acelerações do Brasil e do mundo como, Pitchgov SP, UK Chapter InovAtiva, APEX – Catalizer, além do InovAtiva Brasil.

Startup ajuda a impulsionar vendas de produtos em e-commerce

O comércio eletrônico é uma realidade para milhões de pessoas. Metade da população brasileira possui acesso a internet e mais de 35% já utiliza smartphones. Estes dados ajudam a explicar o faturamento do setor na ordem de R$ 45 bilhões em 2016. As compras pela internet aumentaram consideravelmente nos últimos cinco anos. Muitas lojas optam por trabalhar os canais offline e os canais digitais simultaneamente.

Para suportar este novo cenário de negócio, a startup STANDOUT inova ao trazer um tipo de vendedor on-line com características do vendedor da loja física. A plataforma possibilita a criação de vitrines para produtos diferenciados, distribuídos em tempo real, propiciando o aumento significativo das vendas para as marcas clientes. O trabalho inovador da startup a colocou entre os destaque do ciclo de aceleração 2017.1 do InovAtiva Brasil.

Ao preparar os produtos de forma atrativa na vitrine, a startup mostra informações para a tomada de decisão importantes como o mapa de calor. O objetivo é descobrir o comportamento do usuário enquanto ele navega pelo espaço virtual. O mapa facilita a descoberta dos locais que trazem maior interesse na página e que conseguem influenciar de forma rápida a apresentação do conteúdo.  

Durante a passagem pelo programa InovAtiva, a empresa aprimorou alguns aspectos importantes, como relembra Andrea Miranda, CEO da empresa. “A experiência foi mais que fantástica. Conseguimos sanar algumas dificuldades e melhorar outras áreas, como por exemplo a forma de alcançar clientes. Com as mentorias, até nosso slogan foi alterado. O InovAtiva promove uma experiência fora da zona de conforto que foi essencial para amadurecimento da STANDOUT”.

A participação no programa fez com que a startup tivesse destaque na categoria de comércio eletrônico e varejo entre as 12 mais bem preparadas segundo opinião dos investidores. Com isso, surgiram algumas propostas de investimento e parcerias. “Certamente foi uma das melhores coisas que nos aconteceu. A exposição no InovAtiva foi positiva e agora estamos analisando tudo com muita atenção para contribuir com o crescimento da empresa”, ressalta.

Atualmente a empresa está em uma das suas melhores fases. Entre os clientes mais importantes, a startup trabalha para Unilever, NutriCare, Johnson&Johnson, RicardoEletro, entre muitos outros.

Confira um depoimento da Andrea sobre sua passagem no InovAtiva.

 

inovativa@inovativabrasil.com.br