Primeiro dia do Bootcamp final tem saldo positivo

O sábado foi de muito trabalho, otimismo e network para os representantes de 121 startups, acompanhadas por 111 mentores voluntários, que participam do Bootcamp final do Programa InovAtiva 2016.2. Foi dia de discutir o negócio com os mentores e receber orientações, no encontro realizado na Escola de Negócios do Sebrae, em São Paulo (SP). “Eles […]

O sábado foi de muito trabalho, otimismo e network para os representantes de 121 startups, acompanhadas por 111 mentores voluntários, que participam do Bootcamp final do Programa InovAtiva 2016.2. Foi dia de discutir o negócio com os mentores e receber orientações, no encontro realizado na Escola de Negócios do Sebrae, em São Paulo (SP). “Eles estão finalizando a construção do modelo de negócio para segunda-feira, quando farão a apresentação para os investidores”, explica Eliza Coral, gerente de projetos da Certi (Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras). Segundo ela, o dia foi um sucesso, com registro de poucas faltas e um feedback positivo dos participantes. Marcus Vinicius Bezerra, gerente adjunto da Unidade de Inovação e Sustentabilidade do Sebrae Nacional, lembra que o evento é ainda o momento do network entre os participantes buscando outras possibilidades de negócios. “É a oportunidade de interagir”, afirma. E network é uma chave para o engenheiro Sandro Scholze, da startup SSE Gridtech. Segundo ele, a participação no Programa InovAtiva trouxe ainda novas oportunidades: “ajudou a colocar foco naquilo que tem que ter foco”. A startup desenvolve equipamentos para resolver problemas de fluxo de energia e conta com clientes no Paraná, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Ceará. O Bootcamp é ainda um espaço para ideias que já fazem sucesso, mas vão ganhar ainda mais importância com o tempo. É o caso da Radds, uma startup de Brasília (DF) que desenvolveu um Raio X para prestação de serviço em domicílio. O médico Hugo Falcão e os sócios Fernando Haddad e Adriano Araújo fizeram a adaptação de um equipamento de 300 quilos para outro com apenas 30 quilos. Isso facilitou a mobilidade e vai atender aos idosos acamados, uma parcela da população em crescimento nos próximos anos no país. “Não tinha noção alguma de negócio”, revela o médico. “Com o aprendizado daqui, consigo trabalhar melhor a empresa”, comemora. “A maioria das startups do evento vai virar empresa”, avalia o mentor José Albuquerque Costa, engenheiro de produção , administrador de empresas e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Segundo ele, há um elevado grau de maturidade e de qualidade das participantes.  Já para a mentora Carolina Wosiack, a experiência de participar do Bootcamp como mentora voluntária é uma forma de retribuir um pouco às pessoas que a ajudaram ao longo da carreira.  
Compartilhar