Posts

Principais erros cometidos por startups

Começar um novo negócio não é fácil, por isso é normal cometer erros durante este processo. Mas para que todo o esforço, dedicação e investimento não corram o risco de ir por água abaixo, conversamos com o mentor do programa InovAtiva Brasil, Carlos Altafini, sócio da Marketplus, para elencar alguns dos principais equívocos realizados por startups.

Para este material, Altafini focou em startups em estágio de tração, sua especialidade, uma vez que os erros variam de acordo com a fase de maturação de cada empresa. Confira abaixo os pontos de atenção que o mentor separou:

  1. Falta de foco

A ansiedade por tracionar o negócio faz com que alguns empreendedores acabem deixando a estipulação do ICP (perfil do cliente ideal) de lado para tentar uma aproximação com todo e qualquer público. “Isso acontece principalmente em operações B2B, que muitas vezes alocam recursos para as áreas de marketing e vendas sem cumprir com esta premissa”, comenta Altafini.

Para que esta questão não acabe prejudicando a sua startup, não atropele as etapas. Faça um mapeamento dos seus potenciais clientes e desenvolva ações voltadas a eles;

  1. Paixão pelo produto ou serviço

É normal se apaixonar pela sua criação, mas isso pode fazer com que você não enxergue os pontos que precisam ser aprimorados. De acordo com o empresário, isso pode ser fatal para um negócio. “De nada serve construir um produto maravilhoso, que resolva um problema real, mas cujo valor não seja identificado pelo cliente lá na ponta. Se o mercado não está disposto a pagar pela solução que você desenvolveu, não há muita chance de sucesso”, afirma o mentor;

  1. Não olhar para o mercado global

É fato que o mercado brasileiro é enorme e tem muito potencial para ser explorado. Porém, para Altafini, as startups devem nascer pensando globalmente e não deixar para pensar na internacionalização mais adiante. Ele aconselha que, já nos primeiros estágios da startup, todo empreendedor deveria se fazer algumas perguntas:

  • O meu negócio está limitado ao Brasil ou tem chances de ser internacionalizado em algum momento?
  • A minha marca é registrável no exterior? Ela será bem recebida em países que falam inglês ou espanhol?
  • Alguma empresa estrangeira já utiliza esta marca ou outra similar?
  • Os domínios “.COM” estão disponíveis ou já foram registrados por terceiros?
  • O meu software está nascendo preparado para ser traduzido rapidamente?
  • Quais as patentes relacionadas ao meu negócio, já foram registradas no exterior?
  • Quem são os meus concorrentes internacionais, diretos e indiretos?
  • Quais são os principais eventos internacionais relacionados ao meu negócio, que devo ter no meu radar?

“Quem segue este conselho, mesmo sem perceber dará os primeiros passos para a criação de uma cultura de internacionalização no negócio, mesmo que o foco inicial seja o mercado nacional”, completa Altafini.

Brasil está entre os países que mais criaram unicórnios em 2019

Em 2019, 142 startups se tornaram unicórnios. Elas são, principalmente, dos segmentos de finanças, comércio e compras, análise de dados, transporte, SaaS e saúde. Esses dados são de um levantamento realizado pela plataforma norte-americana Crunchbase.

Com estes novos empreendimentos avaliados em mais de US$ 1 bilhão, totalizam-se 558 unicórnios oriundos de 32 países. Juntas, essas empresas já atingem o valor de US$ 1,9 trilhão e somam US$ 411,2 bilhões em investimentos recebidos.

Segundo o estudo, os Estados Unidos foi o país que mais criou unicórnios no último ano. Ele foi responsável pelo título adquirido por 78 startups. Em seguida, vem a China, com a criação de 22 unicórnios em 2019. Empatados em terceiro lugar, estão o Brasil e a Alemanha, com cinco empresas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão.

No Brasil, a quantidade criada em 2019 foi a mesma do ano anterior. Os primeiros unicórnios brasileiros foram: aplicativo 99, PagSeguro, Stone, Nubank e iFood. No ano seguinte, chegaram a este patamar a Loggi, Gympass, QuintoAndar, Ebanx e Wildlife.

Mas não parou por aí. No primeiro mês de 2020, o país já mostrou que tem potencial para criar ainda mais unicórnios. Com apenas 16 meses de operação, a startup Loft, especializada em venda e reforma de imóveis, foi avaliada em US$ 1 bilhão após receber um aporte de US$ 175 milhões no início de janeiro.

A dúvida que fica agora é: quais serão os próximos unicórnios brasileiros?

Tendências para o empreendedorismo em 2020

O ano de 2020 começou e trouxe com ele novidades e tendências para o ecossistema de empreendedorismo. Com o avanço da tecnologia, a cibercultura vem tomando conta das startups, que estão investindo constantemente em aprimoramento e inovação para não ficarem para trás.

Aísa Pereira, criadora da metodologia da Engenharia de Vendas para Empresas de Software e mentora do programa InovAtiva Brasil, afirma que as startups que identificarem a interseção entre demanda de mercado com alto potencial (demanda significativa não atendida ou mal atendida) e baixa, inexistente ou desatualizada competição, terão múltiplas chances este ano.

“Os empreendedores devem olhar para os seus negócios com os olhos dos clientes. Isso é essencial para que a startup tenha sucesso no ano que está começando, pois ao fazer este trabalho, ela entenderá os problemas específicos e prioritários do nicho econômico a que se destina, a qualidade do produto, a atenção aos detalhes e terá responsabilidade, perfeccionismo e pontualidade nas entregas”, comenta Aísa.

A mentora também garante que a aposta dos próximos meses será nos setores de Health Tech, Food Tech, Fintech, Energy Tech e Retail Tech. Além disso, ressalta que tecnologias avançadas de investigação para uso da justiça e da segurança pública, incluindo a prevenção e o combate à corrupção, poderão ter destaque neste ano.

Dicas para aperfeiçoar seus negócios em função dessas tendências

Àqueles que desejarem se aventurar pelas novidades de 2020, Aísa deixa algumas dicas para guiá-los na decisão de quais tecnologias usar para o desenvolvimento de seus produtos e/ou serviços:

  1. Analise quais são as tecnologias mais adequadas para ajudar a resolver os problemas de clientes reais e potenciais da startup;
  2. Pondere os assuntos que devem ser estudados e trabalhados pelos seus colaboradores para aprimorar suas competências;
  3. Apure quais são as técnicas e tecnologias utilizadas por seus concorrentes (nacionais e internacionais) e por líderes do segmento.

InovAtiva Brasil está selecionando Líderes De Comunidade

O programa InovAtiva Brasil está em busca de pessoas que desejam fazer a diferença no ecossistema empreendedor do estado onde moram. Para isso, vai selecionar Líderes de Comunidade, analisando pessoas de todo o país.

Composto por três etapas (triagem, entrevista e divulgação dos escolhidos), o processo seletivo vai avaliar os inscritos com base na experiência e conhecimento que estes demonstrarem em relação ao universo das startups, motivações, entendimento, mapeamento e articulação no ecossistema local. Atividades ligadas ao empreendedorismo e empreendedorismo social serão grandes diferenciais.

Atuação do Líder de Comunidade

Serão selecionadas pessoas que estejam empenhadas em evoluir e liderar mudanças no ecossistema local em que estão inseridas. Elas vão trabalhar com as lacunas do seu estado, desenvolvendo e movimentando organizações, pessoas, empresas e governos que queiram fomentar o empreendedorismo e as startups regionais, com o apoio da rede do InovAtiva Brasil.

Os Líderes de Comunidades serão verdadeiros protagonistas estaduais mobilizados para movimentar diferentes grupos em prol de um ecossistema mais próspero. Caberá a eles disponibilizar duas horas semanais voluntariamente para realizar palestras, promover eventos, buscar oportunidades de conexão para startups e encontrar as melhores soluções para serem aceleradas pelo programa.

Para saber mais, acesse: https://www.inovativabrasil.com.br/representantes/

Maior programa de aceleração da América Latina chega a 1 mil startups aceleradas

Nos dias 30 de novembro, 01 e 02 de dezembro, o InovAtiva Experience reuniu empreendedores, mentores, investidores, grandes empresas e importantes agentes fomentadores de startups para o término do ciclo de aceleração InovAtiva Brasil 2019.2.

O evento ocorreu na Escola de Negócios do Sebrae, em São Paulo, e contou com a presença de mais de 400 participantes, sendo 108 startups, 181 empreendedores e cerca de 170 investidores e mentores. No final de semana, eles tiveram a oportunidade de participar de 60 atividades, entre mentorias, treinamentos de pitchs e palestras.

Na segunda-feira, apresentaram seus negócios para a maior banca de investidores do país e puderam participar da cerimônia de encerramento deste ciclo do programa, que elegeu 14 startups como destaques, sendo duas em cada categoria:

  • Banca 1: Comércio & Setor Financeiro – Pricefy, plataforma que aumenta a venda dos varejistas automatizando a divulgação das promoções nas mídias online e offline, e ZH Soluções Especialistas, modelo SaaS que permite a gestão, saneamento e enriquecimento de todos os tipos de cadastros de empresas;
  • Banca 2: Educação & Recursos Humanos – Jovens Gênios, plataforma digital adaptativa de aprendizagem gamificada para o ensino Fundamental II, e AppGuardian, solução tecnológica que ajuda pais e filhos a organizarem suas rotinas no mundo digital;
  • Banca 3: Indústria & Jurídico – James Tip, startup que atua com indústrias, distribuidores e varejistas para aumentar o faturamento e reduzir as rupturas de estoque de seus clientes, e Crave Industry, empresa que desenvolve soluções Digital Twin embasadas em conceitos de Indústria 4.0 para o segmento industrial;
  • Banca 4: Marketing & Serviços – Implanta IT Solutions, solução de inteligência de dados com recursos de inteligência artificial que aproxima a indústria do seu consumidor final, e Peepi, ferramenta que ajuda empresas a identificar, engajar e mobilizar seus defensores para que façam ações pela marca, como compartilhamento de conteúdo em redes sociais, reviews, depoimentos, indicações e produção de conteúdo;
  • Banca 5: Alimentação & Saúde – Far-me, primeira empresa do Brasil a oferecer o serviço de dispensação customizada que torna a utilização de tratamentos contínuos mais simples e segura, e PWTECH, sistema de purificação que transforma água contaminada em água potável;
  • Banca 6: Tecnologia, Construção & Setor Imobiliário – T&D Sustentável, desenvolvedora e comercializadora de projetos com foco na redução do consumo de água de seus clientes, e Data2go, startup que impulsiona o crescimento de empresas PME’s por meio de soluções de inteligência que transformam dados simples em informações estratégicas;
  • Banca 7: Impacto social e ambiental – Coletando Soluções, primeira fintech do mundo a disponibilizar pontos móveis que trocam lixo por dinheiro em comunidades vulneráveis, e Cycor Cibernética, startup desenvolvedora do primeiro exoesqueleto do Brasil, que pode ser usado por pessoas paraplégicas totais e tetraplégicas parciais.

InovAtiva Conecta

No período da tarde do dia 02 de dezembro, o InovAtiva realizou a conexão de empreendedores com grandes empresas. Todos os participantes se inscreveram previamente no site do programa, contando o que poderiam oferecer (no caso das startups aceleradas de ciclos anteriores) ou o que estavam buscando (tratando-se das grandes empresas).

A partir desses dados, a equipe do InovAtiva fez uma triagem de quais soluções poderiam melhor atender as necessidades de organizações como Bosch, Vale, Johnson & Johnson, ThermoFisher Scientific, Andrade Gutierrez, Magazine Luiza, entre outras.

Ao todo, foram executadas oito rodadas de negócios, de 20 minutos cada, com cinco aceleradoras, cinco fundos de investimento/associações de investidores anjos e 10 companhias com programas de interação com startups.

Quais os benefícios de um programa de aceleração para startups maduras?

Com base em seus seis anos de atuação, o InovAtiva Brasil percebeu que soluções mais desenvolvidas conseguem aproveitar melhor o que um programa de aceleração de startups tem a oferecer e, assim, têm mais chances de realizar negócios por meio deste.

Por esse motivo, em 2019 ele mudou seu formato, passando a selecionar startups em fase de operação e/ou tração para ganhar visibilidade, se conectar com investidores e grandes empresas, além de fazer parte do time de aceleradas do maior programa de aceleração de startups da América Latina.

Com isso, o foco do InovAtiva se tornou impulsionar o crescimento das startups, garantindo que elas atinjam seus objetivos com uma maior velocidade, estabilidade e lucratividade. Para isso, oferece palestras, mentorias, treinamentos de pitch e dá a oportunidade das empresas se apresentarem à maior banca de investidores do país.

Os empreendedores também podem fazer networking e trocar experiências com startupeiros de todo o brasil, dos mais diversos segmentos, mas que possuem o mesmo nível de conhecimento que eles, gerando parcerias e o aprimoramento de seus produtos ou serviços.

Esse é o caso da Jovens Gênios, por exemplo. A startup eleita como destaque do InovAtiva 2019.2, que individualiza e torna o aprendizado mais divertido para os alunos, além de aumentar a participação dos pais no acompanhamento do desempenho dos filhos, já está atendendo mais de 120 escolas de cinco estados brasileiros.

De acordo com Bernard Caffé, Cofundador e Diretor Comercial da empresa, além de todo aprendizado que o InovAtiva proporciona, ele também gera um respaldo governamental. “Desde o primeiro contato, até toda a trilha, foi muito legal ver o quanto que a equipe do InovAtiva está disposta a nos ajudar e nos amparar em todo esse processo. É impressionante ver como crescemos desde que entramos no programa. Para completar a aceleração, passamos pelo InovAtiva Experience, no qual tivemos a oportunidade de receber mentorias, assistir palestras fantásticas e até criamos parcerias durante esse período”, completa Caffé.

Entenda a diferença entre hardware e software

Apesar de terem grafia e pronúncia parecidas, as tecnologias hardware e software se diferem, não apenas no significado, mas também na funcionalidade. Enquanto o hardware é um o conjunto de peças e equipamentos que fazem aparelhos eletrônicos (como computadores e celulares) funcionar, o software é a parte lógica desses dispositivos.

Responsável operação do hardware, o software manipula, instrui e envia os comandos necessários para a execução das atividades lógicas das máquinas, permitindo que o usuário interaja com todas as funcionalidades e acessórios de um computador, por exemplo.

Programas, sistemas operacionais e aplicações são alguns tipos de softwares. Eles são elaborados por meio da junção de inúmeros códigos e customizados de acordo com as tecnologias dos seus fabricantes. Quando um dispositivo é ligado, o software transmite impulsos, fazendo com que o hardware funcione.

Como esses dois artifícios são totalmente dependentes e sempre estão associados, é comum haver a confusão dos conceitos, mas hardwares e softwares são tecnologias diferentes.

Para saber mais, assista nosso webinar com o convidado Marcos Buson. Ele abriu sua primeira empresa de tecnologia com 17 anos e desde então ajudou a fundar mais de 10 empresas. Durante o bate-papo, ele deu dicas para que quer empreender com hardware ou para quem já está nessa jornada. Buson é responsável pelo programa de Pitch do Startup SC, Darwin Startups, IncTech, CoCreation Labs, Hotmilk, Inovativa, LabInvest, tendo treinado mais de 2 mil times.

Do bootstrapping à venda da startup: conheça as fases de investimento existentes no mercado

Durante seu crescimento, uma startup normalmente passa por rodadas de investimento. Isso porque, para cada fase de amadurecimento de uma empresa, existe um tipo de investimento mais adequado. Abaixo, listamos os tipos de aportes realizados em cada etapa do negócio:

Bootstrapping

Trata-se do momento em que uma startup utiliza recursos próprios para a criação da empresa, sem qualquer investimento externo. Ideal para negócios que ainda não foram validados, a principal vantagem desse modelo é que nele não se abre mão de uma parte da solução. Para colocá-lo em prática, o empreendedor utiliza ferramentas prontas, MVPs (Minimum Viable Product) com funcionalidades limitadas e sistema operacional manual.

O Bootstrapping pode ser:

  • Double Journey – mantém o emprego fixo e monta a startup como um projeto paralelo;
  • Stocking – utiliza-se a reserva financeira para se dedicar exclusivamente à startup.

Cofundador/sócio

Se o Bootstrapping não for suficiente, o empreendedor pode buscar um cofundador/sócio que possa contribuir com o chamado smartmoney, que consiste em agregar dinheiro e capacitações técnicas em áreas que o idealizador do negócio não possui na startup. Quando este investimento é realizado, os percentuais das quotas sociais de ambos são semelhantes.

FFF

O FFF (Family, Friends, Fools) é um aporte feito por amigos, familiares ou conhecidos próximos que acreditam no potencial da ideia do empreendedor. Neste modelo, não é regra que o investidor fique com um percentual da empresa, mas é importante formalizar essa contribuição por meio de um contrato.

Seed Capital

Capital Semente ou Seed Capital é o primeiro valor financeiro recebido pela empresa após sua estruturação. Realizado, geralmente, por investidores anjos ou fundos de investimento early stage, esse investimento tem como objetivo acelerar o crescimento da startup e é feito em troca de uma porcentagem da empresa.

Aceleradoras / Incubadoras

Algumas aceleradoras e incubadoras de startups investem um capital para ajudar os empreendedores a alavancarem suas startups. Em troca deste auxílio financeiro, as empresas cedem um percentual de participação para esses agentes. Além disso, ambas também proporcionam o networking com outros empreendedores, executivos de grandes organizações e possíveis investidores.

Como já explicamos em outro texto, também existem aceleradoras que funcionam no modelo equity free, em que não é cobrada participação das startups e o investimento é feito de forma indireta, por meio de conexões e parcerias.

Séries de Investimento

No momento em que a empresa já está estruturada, fundos de investimento começam a se interessar pela solução e oferecem valores expressivos em troca de uma fatia da empresa, visto que, pelo negócio já estar bem adiantado, as chances dele gerar lucros são maiores.

Oferta Pública ou IPO

Ainda pouco comum no Brasil, esse tipo de investimento consiste na venda de ações da empresa diretamente na bolsa de valores para terceiros interessados que não tenham vínculo necessariamente com a startup. Tal ação ocorre quando o empreendimento já tem um grande valuation e capacidade de pulverizar suas ações com o objetivo de facilitar a capitalização.

Venda, fusão, aquisição ou exit

Quando o valor da startup (tanto monetário quanto de reconhecimento) ultrapassa as expectativas dos fundadores, eles podem optar por vender quotas/ações e deixar a empresa. Nesses casos, eles geralmente são contratados como consultores ou conselheiros dos novos donos da startup, contribuindo para que a expectativa pós-venda seja alcançada.

Ferramentas que ajudam a deixar o nosso dia a dia mais sustentável

Quando falamos em sustentabilidade, nos referimos a preservação de recursos naturais para a conservação do planeta. Para ajudar as pessoas a incluir esse conceito em suas rotinas diárias, startups desenvolveram negócios em pról do meio ambiente. Listamos algumas delas, criadas por empreendedores que passaram pelo InovAtiva Brasil ou InovAtiva de Impacto. Confira quais são essas soluções e aprenda a deixar seu dia-a-dia mais sustentável:

Plataforma de caronas solidária

O Zumpy é um aplicativo que permite que os seus usuários peguem caronas de forma prática e segura. A plataforma conta com um algoritmo que realiza um cruzamento de rotas para buscar os usuários que irão para destinos compatíveis. Esses percursos são agendados e podem ser acompanhados pela ferramenta em tempo real. Além do passageiro ter a possibilidade de se deslocar com conforto, ele ajuda a diminuir a quantidade de CO² emitida naquele trajeto e pode verificar a quantidade que deixou de gerar do gás ao final de cada viagem.

Agricultura de alta performance

A BioClone oferece ao mercado do agronegócio mundial mudas clonadas de mamoeiro hermafrodita. Atualmente, esse produto é escasso, mas possui alto valor genético e fitossanitário, além de contribuir para uma agricultura sustentável e de alta performance. Ele proporciona ao fruticultor a eliminação da técnica da sexagem, diminuindo consideravelmente os custos de produção e aumentando a produtividade e qualidade.

Controle de energia fotovoltaica

O CoESo é um equipamento de fabricação nacional, com inteligência no consumo da energia, registro de histórico de dados e comunicação com servidor remoto. Por meio dele, é possível otimizar a geração e uso da energia, aproveitando ao máximo os recursos naturais.

Filamentos sustentáveis

A PrintGreen3D cria e comercializa filamentos sustentáveis que utilizam o plástico reciclado como matéria prima. Ela atua desenvolvendo produtos inovadores, comercializando equipamentos, peças e acessórios para impressoras 3D e objetos fabricados com suas impressoras, além de oferecer impressão de objetos por encomenda. A startup ajuda a diminuir a quantidade de lixo plástico, tornar mais acessível a tecnologia de impressão 3D e a popularizar o consumo de produtos sustentáveis; (vi) agregação de valor ao produto final.

Cultivo de hortaliças e temperos dentro do lar

O Plantário é um eletrodoméstico que permite a criação de hortas em qualquer lugar dentro de casa. Assim, as procedências dos vegetais são certeiras e o desperdício alimentício é reduzido em 30%.

Compartilhamento de créditos de energia limpa

A Enercred é uma plataforma digital em que o usuário se cadastra e participa de uma cooperativa de consumidores de energia. Mediante disponibilidade de capacidade de geração, ele assina um contrato de locação de um percentual da usina e recebe créditos que se transformam em desconto na sua conta de luz. Assim, a mensalidade que ele paga é menor, fazendo com que o cliente economize e ajude o meio ambiente já no primeiro mês.

Prevenção ao desperdício de alimentos orgânicos

A Ubaia desenvolveu um aplicativo para conectar o consumidor ao pequeno produtor rural e ajudar a prevenir o desperdício de alimentos orgânicos. Por meio deste, a startup ensina os consumidores a guardar corretamente cada produto e, assim, evita que estes estraguem e sejam jogados fora.

Bloco com inteligência construtiva

A SoloPlásticos é a desenvolvedora de um bloco para construção ultra resistente que permite levantar as paredes de uma casa de 60m2 em apenas dois dias, com dois profissionais e nenhuma ferramenta. Esses blocos não precisam de acabamento (reboco, pintura, gesso), material (cimento, água, areia, cola) nem revestimentos. Além disso, são impermeáveis e não geram nenhum tipo de resíduo por serem extremamente resistentes.

Health techs ajudam preservar a saúde das pessoas e oferecem soluções para o público B2C

Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), o Brasil é o maior mercado de saúde da América Latina e o sétimo maior do mundo, com mais de US$ 42 bilhões gastos anualmente em cuidados de saúde privados. Nesse aquecido setor, soluções tecnológicas vêm conquistando espaço e crescendo com o passar dos anos.

Dados do Startupbase mostram que atualmente temos 353 Health Techs, ou seja, startups focadas em saúde, mapeadas no Brasil. Destas, 46,4% estão em fase de tração e 30% em fase de operação. No InovAtiva Brasil, por exemplo, vemos diversas empresas com soluções inovadoras para esse segmento em busca de aceleração para aprimorar cada vez mais seus produtos e serviços, tudo com objetivo de proporcionar ferramentas eficazes para ajudar a preservar a saúde das pessoas.

Conheça mais dessas startups que buscam revolucionar a maneira como a medicina é feita atualmente:

bHave – plataforma para terapeutas que otimiza o tratamento de pessoas com autismo, criado para profissionais que trabalham com Análise do Comportamento Aplicada;

Ephealth – aplicativo que simplifica e facilita o trabalho dos agentes de saúde. Por meio de seu sistema, os profissionais têm acesso às informações coletadas de toda população, o que facilita na tomada de decisão sobre a saúde do seu munícipio;

Gero360 – solução desenvolvida para rotina de cuidados e para o bem-estar do idoso, que tem como objetivo monitorar os dados vitais e gerenciar os suprimentos, como por exemplo, medicamentos;

NDVIDA – plataforma que ajuda empresas a melhorar a qualidade de vida e bem-estar de seus funcionários;

Pickcells – startup focada na automação de pesquisas laboratoriais. A solução faz diagnósticos com a utilização da visão computacional, trabalhando com um dispositivo que captura imagens e envia para a nuvem para que seus algoritmos possam identificar e direcionar em qual segmento o laboratório deve trabalhar. A ferramenta funciona em tempo real, e é capaz de simplificar o trabalho dos profissionais de saúde e prestar apoio na conduta terapêutica médica;

Prontlife – é um Prontuário Eletrônico Inteligente, customizável, que abrange Protocolos de Especialidades e Patologias, integrando dados clínicos e exames complementares, bem como fotos e exames do paciente;

Turnit Healthcare – uma startup que atua no ramo de equipamentos médico-hospitalares. O negócio iniciou-se com o desenvolvimento de um sistema de monitoramento inteligente para diminuição de lesões por pressão de pacientes acamados.

A sua solução também tem potencial de revolucionar a medicina mundial? Então se inscreva para o próximo ciclo do programa InovAtiva Brasil!

inovativa@inovativabrasil.com.br