Posts

Investidores e executivos elegem as 12 startups mais atraentes do Demoday InovAtiva

Após um fim de semana de trabalho intenso para alinhar os projetos de acordo com as sugestões dos mentores, os empreendedores apresentaram seus Negócios na manhã desta segunda-feira, 29, no Demoday InovAtiva, realizado na Escola de Negócios do SEBRAE São Paulo. No final dos pitchs, a banca de investidores selecionou as 12 melhores startups entre as finalistas do Ciclo de Aceleração 2016.1. Foram 115 startups presentes ao evento, entre as 125 selecionadas para a etapa final. Estiveram presentes 117 Investidores e executivos de empresas para avaliar e se conectar com as startups.

Segundo Marcos Vinícius de Souza, secretário de Inovação e Novos Negócios do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviço (MDIC), essa é a forma de reconhecer os incríveis empreendimentos que foram lapidados durante os meses de aceleração. ‘‘É importante ressaltar que todos aqui são vencedores. Quando a banca seleciona esses negócios significa que eles foram mais assertivos em suas apresentações’’.

Duas startups de cada categoria foram selecionadas. São elas:

  • TIC – Soluções B2B, Big Data e IoT: Nama e Atmosfero.
  • TIC – Setor Financeiro, Logística, Mídia e Serviços: EASYCRÉDITO e JáTá Chegando.
  •  Produtos e soluções B2C, Comércio Eletrônico e Varejo – AdTools e Menu for Tourist.
  • Educação e Acessibilidade – Listen e Voopyn.
  • Saúde, Biotecnologia, Química e Agronegócios – OncoTag e Taquion
  •  Soluções para indústria, infraestrutura e construção civil, energia, telecomunicações e automotivo – Aerointel e NETResíduos.

A força das mulheres no mercado de startups do Brasil

O empreendedorismo feminino alcançou notoriedade nos últimos anos e trouxe mudanças para o mundo empresarial. Atrás da equidade e equiparação de direitos, as mulheres têm reivindicado reconhecimento como protagonistas de um mercado antes alcançado, em sua maioria, apenas por homens.

De acordo com o Anuário das Mulheres Empreendedoras, elaborado pelo Sebrae em 2013, a participação feminina em micro e pequenas empresas aumentou consideravelmente em uma década. A média de mulheres cresceu em ritmo superior aos dos homens, 7,2% contra 5,4% ao ano, respectivamente. No programa InovAtiva Brasil de 2016, 16% das mentores são mulheres e no grupo dos empreendedores, 13% são do público feminino.

Nos exemplos de mulheres que compõem o time de empreendedoras, encontramos Melina Guelman, CEO do Menu for Tourist, um aplicativo que reúne cardápios de restaurantes brasileiros traduzidos em até oito idiomas. Com 28 anos, a publicitária acredita que as mulheres podem alcançar o que quiserem em todas as áreas de trabalho. ‘‘Eu vejo mulheres reclamando de preconceito, mas nós temos que ser ágeis e provar que somos capazes. Quando uma mulher se encanta por algo, existe um diferencial. Quando ela lidera, o projeto tem uma visibilidade diferente’’, reforça.

A ideia da plataforma surgiu há um ano e meio, quando Melina notou as críticas dos turistas que estiveram na Copa do Mundo de 2014 reclamando da falta de acesso aos cardápios. ‘‘Quando o turista veio para as Olímpiadas no Rio de Janeiro, o surpreendemos com um diferencial: um aplicativo oficial com toda a facilidade que o visitante precisa’’. E como a função de uma startup é realmente solucionar problemas, a mentorada pelo programa InovAtiva Brasil exalta a importância da troca de ideias que acontece na aceleração. ‘‘Temos uma conexão maravilhosa com os mentores e também podemos trocar ideias com todos os empreendedores e ver as soluções que surgem. Todos torcem um pelo outro e isso é realmente incrível’’, comemora.

Fernanda Davidovici, gestora da Caravel Corporate Finance e mentora do programa, já teve experiências complicadas no mercado. ‘‘Uma vez fui mentora de quatro homens, todos mais velhos que eu. A sensação que eu tinha era que eles me olhavam se questionando como eu podia ajudá-los’’, comenta. Segundo ela, foi preciso ser hábil para mostrar que estava ali para ajudar. ‘‘Me posicionei de forma que eles soubessem que eu os respeitava e mostrei que meu lado era apoiá-los. No final, foi algo engraçado pois eles queriam entrar no mercado da moda que é um mercado muito mais feminino que masculino. Então nós fomos ajustando e chegamos a um final tranquilo’’, brinca Fernanda.

Para ela, o trabalho do mentor vai além de qualquer diferença entre os gêneros. ‘‘É muito legal ouvir que as pessoas estão desenvolvendo coisas novas, pois, além de mentora, eu também sou empreendedora’’. Para ela, isso acontece não só pelo fato de se impressionar com as criações, mas como essas inovações estão intimamente ligadas com o desenvolvimento do país. ‘‘São novas cabeças pensantes, trazendo coisas geniais para o mundo. É muito bom pois eu posso compartilhar minha visão e o que eu tenho aprendido por aí com outras pessoas’’, enfatiza Fernanda.

Ela finaliza com o pensamento de que todos os mentores disponibilizam tempo para apoiar os empreendedores. ‘‘Pode parecer clichê, mas realmente estamos aqui pois acreditamos nos projetos. Assim como eu tenho um mentor que me apoia na minha startup, eu também posso colaborar com o meu conhecimento. Ninguém sabe tudo. A ideia é aprender com todos. O nome disso é cooperação’’, conclui.

Startups InovAtiva fecham modelagem financeira para pitch em oficina no Bootcamp final

Nesse domingo (28), segundo dia do Bootcamp final InovAtiva, as startups participam de oficinas de modelagem financeira, como forma de complementar o que já aprenderam com o curso ministrado durante a aceleração. O programa InovAtiva Brasil oferece gratuitamente o curso de modelagem financeira para empreendedores que têm interesse em criar um plano de finanças sólido.

De forma complementar ao curso on-line, as oficinas colocam as startups em um ambiente voltado para a prática, com um mentor especialista no tema reforçando os pontos mais importantes e tirando dúvidas dos participantes. O objetivo é garantir que os empreendedores tenham segurança das principais premissas financeiras para que possam apresentar o seu negócio ao investidor – estrutura de custos, definição do preço do seu produto e valor do investimento que ele busca.

O mentor do InovAtiva Brasil e um dos responsáveis pela oficina, Wagner Mancini, revela o quanto se sente valorizado por poder contribuir com o crescimento de cada empresa. “Trabalho no ramo do empreendedorismo há mais de 15 anos. É uma experiência incrível ajudar essa nova geração. Os participantes do Bootcamp têm muito conhecimento, mas eles precisam de ajuda para transformar os projetos em realidade”, afirma.

Com a oficina, o participante aprende metodologias de precificação e como calcular custos reais. “Procuro fazer com que eles consigam entender qual é o valor da solução oferecida a seus clientes e também fazer com que eles mostrem o absoluto diferencial dos projetos. Os investidores esperam que eles sejam coerentes e saibam o que deve ser investido em suas empresas’’, comenta o investidor anjo Claude Salmona Ricci, mentor InovAtiva que coordenou a oficina com outro grupo de startups. O empreendedor da Healclever, Allan Duarte, participa da oficina com Claude e recebeu algumas orientações para apresentar o produto da melhor forma. “Nossa startup oferece soluções na gestão de doenças crônicas. Com a oficina, pude perceber o que de fato devo informar no pitch para gerar o interesse no investidor’’, destaca Allan.

É importante ressaltar que a oficina acontece apenas para os participantes do Bootcamp, mas o curso de modelagem financeira é aberto a startups ou qualquer interessado pelo assunto mesmo que não participe da aceleração. O conteúdo é destinado àqueles que já elaboraram a proposta de valor da startup e, agora, precisam transformá-la em números. O curso auxilia o empreendedor a se planejar para gerar uma receita que cubra os custos de estruturação e operação do negócio, demonstrando, quantitativamente, que a empresa terá uma boa saúde financeira. Um novo curso vai estar disponível a partir de 24 de outubro. As inscrições devem ser feitas através do site do InovAtiva Brasil.

Impactar gerações: o papel do mentor na vida do empreendedor iniciante

Questionar, guiar, orientar e aconselhar. Essas são as palavras-chaves da relação de desenvolvimento entre mentores experientes e empreendedores iniciantes. Todos os dias pessoas discutem novas ideias e conceitos com quem já passou por determinadas situações e no mundo do empreendedorismo não é diferente. Por este motivo, no programa InovAtiva Brasil, empreendedores iniciantes são apoiados por mentores experientes para seus primeiros passos no mercado.

No Bootcamp, realizado neste final de semana, 125 startups de todo o Brasil têm a oportunidade de receber dos empresários mais experientes as informações e opiniões adequadas para dar o melhor seguimento aos seus projetos. O mentor é uma peça fundamental para ajudar os participantes. Através de conversas e debates acerca de assuntos, nem sempre ligados ao trabalho, os startupeiros são questionados e colocados à prova com o apoio dos mentores. Um processo como esse auxilia e possibilita o desenvolvimento criativo e consequentemente os projetos apresentados para possíveis investidores.

Caroline Vlerick, diretora executiva da Harvard Business Angels Brasil, participa como mentora do InovAtiva pela primeira vez esse ano. “Fiquei impressionada com a criatividade e as ideias dos novos empreendedores. Existe muito potencial aqui e fico feliz em contribuir com tudo o que sei sobre o mercado”, ressalta. Para ela, as startups brasileiras precisam se profissionalizar, pois no mercado internacional os pitchs para atrair investidores são bem mais exigentes. ‘‘É necessário que todos estejam com dados embasados e estatísticas sobre os nichos. É preciso deixar bem claro para o investidor aonde você quer chegar e com qual prazo’’, pondera.

Para Daniel Castello, mentor do InovAtiva, ser empreendedor é um desafio. “Ser um empreendedor iniciante é equivalente a entrar em uma floresta grande pela primeira vez. Você tem muita vontade de explorar, mas o mais provável é que seja morto por uma cobra ou uma onça na primeira noite’’, comenta. Para ele, quem está começando sabe apenas as informações obtidas em livros e teorias. ‘‘Com a experiência que obtive ao longo dos anos, sei que posso impactar as novas gerações e apoiá-las nos caminhos que elas pretendem seguir’’, reforça Castello.

Um detalhe importante é que, dentro do programa, os mentores, não recebem nenhum tipo de ajuda financeira. Eles dispõem tempo e vontade de ajudar os novos empreendedores a seguirem em frente. “Acredito na força do empreendedorismo. Tenho crença de que é por meio das empresas de alto impacto que o Brasil vai se tornar o país que merece ser. Faço de coração pois sei que essas empresas vão gerar emprego e renda. No início da minha carreira eu precisei de ajuda, agora eu quero ajudar a nova geração pois tenho a sensação de que histórias incríveis estão sendo escritas aqui”, finaliza Castello.

Demoday InovAtiva apresenta 125 startups de todo o país a investidores e clientes

Mais de 160 investidores e executivos de médias e grandes empresas convidadas vão participar dos três dias de evento no SEBRAE São Paulo

Com o avanço da tecnologia e o apoio de programas de aceleração, as startups brasileiras alcançam cada vez mais posições importantes no mercado nacional e internacional. Para alavancar essas e outras conquistas, nos dias 27, 28 e 29 de agosto o programa InovAtiva Brasil vai realizar um evento de mentoria, treinamento e conexão das empresas com investidores e clientes. Este encontro será a última atividade do primeiro Ciclo de aceleração do InovAtiva em 2016, que selecionou 125 startups para a etapa final do programa. No último dia do evento, os startupeiros terão a oportunidade de apresentar seus projetos a potenciais clientes, investidores e parceiros no Demoday. O InovAtiva, maior e mais abrangente programa de aceleração de startups do país, é realizado desde 2013 pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Para Marcos Vinícius de Souza, Secretário de Inovação e Novos Negócios do MDIC, o evento consolida os cinco meses de trabalho e dedicação de todos os participantes. “A partir de agora os empreendedores estão aptos e preparados para novos desafios. Vai ser um momento final de troca entre mentores e empreendedores, com as orientações finais para a estratégia de negócios o pitch da startup. Toda essa preparação visa a conexão com o mercado no Demoday, teremos dezenas de investidores e executivos convidados interessados em realizar negócios com as startups aceleradas no programa”, ressalta.

Durante o evento, o Sebrae, co-realizador no planejamento e na execução do InovAtiva desde o início deste ano, e o MDIC vão selar um Acordo de cooperação técnica para futuras atividades. “A assinatura do convênio de cooperação técnica vai firmar um plano de trabalho com objetivos e metas concretas para a parceria estabelecida no início do ano. Queremos estimular um ambiente cada vez mais favorável à inovação nas micro e pequenas empresas”,  afirma o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

Segundo Leandro Carioni, diretor executivo do Centro de Empreendedorismo Inovador da Fundação CERTI, a última etapa do programa é fundamental para o mercado de inovação brasileiro. “A conexão obtida em um momento como esse consolida projetos incríveis. Com o Demoday, os empreendedores terão a chance de buscar investimentos capazes de impulsionar seus negócios no mercado brasileiro e também internacional’’, ressalta Carioni. A Fundação CERTI é a entidade que executa o InovAtiva Brasil desde 2015.

Já para Gustavo Gracitelli, co-fundador da startup Bynd, o evento vai servir para trocar experiências e estabelecer maiores conexões. “A expectativa é alta, pois o programa é uma vitrine para startups de todo o país e estar entre as finalistas já é uma honra. Quanto ao pitch, estamos com nossas atenções voltadas para a apresentação’’, finaliza.

O segundo Ciclo de aceleração do InovAtiva já está em andamento e se encerra nos dias 3, 4 e 5 de dezembro. Em fevereiro abrem as inscrições de projetos para a edição 2017. Para mais informações, acesse o site www.inovativabrasil.com.br. Curta também nossa fanpage: www.facebook.com/inovativabrasil.   

Serviço – Bootcamp Final InovAtiva Brasil

Data: 27, 28 e 29 de agosto

Horário: sábado e domingo a partir das 9h, segunda-feira a partir das 8h30.

Local: Escola de Negócios – SEBRAE/SP

Endereço: Alameda Nothmann, 598. Campos Elíseos, São Paulo-SP

Dez passos para um pitch de sucesso

O pitch é uma breve apresentação para que novos negócios possam atrair a atenção de investidores e clientes. O encontro em si não é uma reunião de negócios, mas o objetivo é que esse seja o primeiro passo para concretizar o investimento ou o negócio. É um grande desafio para um empreendedor, em poucos minutos, se apresentar de forma clara, sucinta e atrativa. Para Verônica Mussi, sócio-fundadora da Pin People e conteudista do InovAtiva Brasil nesse tema, o segredo para um pitch de sucesso é a preparação. “Se o empresário seguir alguns passos essenciais, ele vai poder fazer do pitch um sucesso”, destaca. Confira algumas dicas:

1 – Se apresente de forma objetiva:

Conte quem você é e o que sua startup faz. Não é necessário contar a história da sua vida. Esse é um erro comum gastar grande parte do seu tempo falando sobre você mesmo. Se o investidor tiver interesse sobre o seu background, ele vai te perguntar.

2 – Explique qual problema você quer resolver:

O investidor quer saber se, de fato, o que você faz soluciona algum problema e se isso pode ser comercializado. É preciso consolidar as informações, mostrar a dor que existe no setor. Para isso, há várias abordagens: apontar dados ou estudos, por exemplo.

3 – Mostrar o tamanho do mercado:

O investidor pensa muito na sua capacidade de expansão do negócio. Para dar essa real noção, é preciso apresentar um panorama embasado em dados e não somente apresentar a sua sensação ou opiniões.

4 – Ilustrar a solução proposta:

Fazer o investidor visualizar o que foi pensado para resolver o problema. Nesta etapa, criatividade é um diferencial. É recomendável utilizar conteúdos visuais: o layout do seu aplicativo, um fluxograma do seu serviço ou um protótipo do seu produto, por exemplo. Essa é a melhor oportunidade para encantar o investidor.

5 – Definir o modelo de negócios:

Não é preciso ainda dizer quanto vai custar o seu produto e o quanto você quer lucrar com ele. Mas você precisa ter uma ideia de como vai cobrar pelo produto ou serviço. Se vai ser por meio de taxas, mensalidades, se você vai ter uma versão gratuita e uma paga, por exemplo. Essa decisão vem de estudo e planejamento prévio.

6 – Mostrar quem são os competidores:

Muitas vezes, uma startup, por ser um negócio inovador, acredita que não tem competidores. Mas é um erro pensar dessa maneira. Muito provavelmente, haverá empresas que apresentam serviços semelhantes em diferentes etapas ou processos pelo qual sua startup passa. Você precisa mostrar quem são esses concorrentes e destacar quais são os seus diferenciais em relação a ele ressaltando sua competitividade. Isso pode ser feito por meio de recursos visuais também, seja por meio de uma tabela ou infográfico.

7 – O que já foi feito?

Ressaltar a sua capacidade de execução, salientar as suas principais realizações até aqui. Mostrar o quanto você já conseguiu caminhar com as próprias pernas. Isso pode ser feito de maneira prática: mostrando quantos clientes já foram conquistados ou mostrar a capacidade de elaborar uma plataforma mais complexa.

8 – Apresentar o time:

Quem são os profissionais da sua equipe e as pessoas que ajudaram a startup a chegar até este ponto. Muitas vezes há uma rede de contatos por trás: mentores e até pessoas que já te ajudaram voluntariamente que podem ser mencionadas.

9 – Mensurar o investimento necessário:

Não precisa entrar em detalhes ou mostrar uma planilha de gastos, isso exige complexidade e pode ser discutido em uma reunião posterior. Mas você precisa já deixar claro para o seu investidor de quanto você precisa e quais são as suas prioridades para a aplicação deste recurso: se é para contratação de pessoal qualificado ou em tecnologia, por exemplo.

10 – A visão da startup:

Mostrar para o seu investidor para onde você está olhando, o que você almeja no futuro. Para isso, é preciso que você reflita sobre o quão inovador é o seu negócio – e onde você quer chegar com ele – ou seja, que tipo de transformação você quer trazer com a sua startup.

Dica extra:

Grave uma simulação de pitch e depois assista procurando por pontos em que você pode melhorar. Verificar também se a sua administração do tempo está correta, ou seja, se você está dedicando o tempo correto para as partes mais importantes da sua apresentação.

Quem entender mais sobre como captar investimentos? Então leia o artigo: Investimento anjo: 7 formas de NÃO conseguir um.

Case InovAtiva – Piipee cria produto que reduz em 80% uso de água em descargas

De acordo com o relatório mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento de Recursos Hídricos, lançado pela Unesco em 2015, nas últimas décadas, o consumo de água no mundo cresceu duas vezes mais que a população. Uma das práticas mais corriqueiras que aumenta o uso da água está intimamente ligada à quantidade de descargas realizadas em domicílios e empresas brasileiras. Atualmente, mais de oito bilhões de litros de água potável são gastos diariamente apenas com esse costume.

Pensando nisso, em 2010, o empreendedor Ezequiel Vedana estudou o mercado e as alternativas possíveis para diminuir o consumo de água nas descargas. Porém, esses produtos eram muito caros. Então, surgiu a ideia de criar um produto de baixo custo para reduzir o desperdício. Alguns meses depois, a startup Piipee foi idealizada.

“O Piipee é um dispenser acoplado próximo ao vaso sanitário. Quando o usuário urinar não deve acionar a descarga, mas sim o aparelho. De forma simples, reduzimos em até 80% o consumo de água de qualquer vaso sanitário”, afirma Vedana. Segundo o empreendedor, engenheiros da Sabesp estimaram uma economia de cerca de 1 bilhão de litros de água a cada três dias caso o Piipee fosse instalado em todas as 6,4 milhões de residências da Grande São Paulo.

O aparelho libera no vaso sanitário um líquido biodegradável que altera as características da urina, remove o odor e higieniza o banheiro, sem utilizar água e é vendido a baixo custo. O produto custa R$ 79,90 e possui opções de refil com 500ml por R$ 24,90 e de um litro por R$ 49,90.

A startup possui hoje mais de 270 clientes em todo o Brasil. Empresas como Vale, Arcellor, Enel, Unimed e Sabesp já utilizam o produto, que é vendido por site ou telefone. É importante ressaltar que um produto como este põe em prática os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela ONU desde o ano passado. ‘‘Fomos a única empresa do Brasil convidada para representar o país na COP21* em Paris. Estamos realizando a meta inicial do Piipee, que é de reduzir o consumo para preservar a água no mundo’’, acrescenta.

A empresa viajou para França e Israel para buscar novas parcerias. A Piipee também está sendo acelerada pela StartupFarm em parceria com o Google e a IBM. ‘‘Com essa aceleração, vencemos o Sustainable Brands RIO16, um evento global de marcas sustentáveis’’, relembra. Mas o sucesso da empresa não para por aí. ‘‘Também fomos selecionados para uma aceleração pela BraskemLabs e vencemos o BrazilLab, uma parceria da CLP com a Endeavor para aproximar startups do poder público’’, comenta.

Mas o que poucos sabem é que o desenvolvimento da empresa começou com a participação no programa InovAtiva Brasil. ‘‘Participar do programa foi transformador. Tivemos mentoria com experts de desenvolvimento e mudamos todo o conceito do produto com base no que aprendemos. As mentorias de negócios foram fenomenais’’, declara. O fundador da startup comenta que finalizou o ciclo pronto para continuar. “Decidi me dedicar somente ao Piipee após a participação no InovAtiva e a minha vida mudou! Meu produto mudou. Após um ano da final, fomos selecionados para a missão UK Chapter do InovAtiva”. Para ele, a missão ao Reino Unido, uma semana de prospecção de negócios e investimentos em Manchester e Londres em fevereiro de 2016, abriu portas antes inimagináveis. ‘‘Aprendemos muito em todo o processo. São empreendedores por natureza que anseiam pelo sucesso das empresas que orientam como se fossem deles. Sou muito grato por esse início e é um programa que recomendo para qualquer novo empreendedor que conversa comigo’’, finaliza.

COP21* – conferência do clima que busca alcançar um novo acordo internacional, aplicável a todos os países, com o objetivo de manter o aquecimento global abaixo dos 2°C até o fim do século.

Saiba mais sobre a Piipee:

www.piipee.com.br

www.facebook.com/PiiPeeBR

 

Case InovAtiva: capacitação e mentoria ajudam Smarti9 a captar investimento Série A

Um dos pontos mais importantes da aceleração oferecida pelo InovAtiva Brasil às startups é a preparação para captação de investimento. A Smarti9, startup mineira que desenvolve equipamentos para o setor elétrico e tecnologias na área de internet das coisas, foi uma das que melhor aproveitou isso. Acelerada pelo InovAtiva em 2014, em 2015 a empresa criou uma spin-off, a Wari, e, em pouco mais de um ano, recebeu três rodadas de investimento: um aporte de investidor-anjo e uma rodada de investimento Série A na Wari, e agora mais um investimento Série A na Smarti9.

O CEO Diogo Fernandes afirma que o plano de negócios da empresa foi estruturado e adaptado de acordo com o feedback do InovAtiva. “A partir das mentorias, passamos a realizar pitches dentro e fora do país, o que chamou a atenção de vários investidores e nos levou a Série A de investimentos”, comemora. Ele destaca que, no primeiro aporte recebido, o mentor da Smarti9 no InovAtiva continuou acompanhando após o término do programa e auxiliou diretamente na negociação do investimento. “As outras rodadas foram mais tranquilas porque já havíamos aprendido bem o processo. Toda a capacitação e suporte do InovAtiva foram fundamentais para atingirmos esses resultados”, afirma.

Essa preparação começa com os cursos online do InovAtiva, que são depois complementados na prática com mentorias individuais, atividades de treinamento nos bootcamps e a apresentação a investidores no Demoday InovAtiva. No Curso InovAtiva de Acesso a capital, que terá início no dia 8 de agosto, o presidente do Instituto Anjos do Brasil, Cássio Spina, apresenta os principais pontos que uma startup que busca investimento deve ter atenção. O conteúdo, gratuito e aberto a qualquer interessado, é complementado por especialistas em pitch para investidores, cases de empresas que receberam investimento e como fazer uma apresentação. 

Em 2012, os fundadores da Smarti9 desenvolveram um sistema que conecta medidores a concessionárias em tempo real, que permite o controle de consumo de energia em tempo real através de uma rede sem fio, o i9Híbrido. A partir dos investimentos recebidos, outros produtos foram desenvolvidos, como o i9Plug, uma extensão elétrica constituída de quatro tomadas conectadas de forma virtual e possibilita que diferentes aparelhos sejam ligados e desligados de forma remota, com horários agendados e também o controle de temperatura e energia.

Outra grande novidade é a spin-off Wari, um sistema que torna o gerenciamento de eventos mais fácil. “Este é um sistema que funciona por meio de leitores e pulseiras de rádio frequência e permite o controle de fluxo de pessoas, de consumo e interação em mídias sociais nas festas”, ressalta Fernandes. Segundo ele, essa tecnologia evita diversos problemas no setor de eventos, como falsificação de ingressos, entrada indevida, longas filas e demora na prestação de contas.

Este ano, a empresa participou da semana de inovação em Paris e recebeu o Engie Brazilian Innovation Award, que foi fundamental para trazer novos investidores à empresa. “Estamos totalmente focados em efetivar o nosso planejamento a partir da venda de nossas tecnologias, transformando a Smarti9 em uma referência na área de desenvolvimento de tecnologias inovadoras de hardware e software e idealizar a internet das coisas no Brasil”, afirma.

Serviço

Período: 08/08 a 26/08

Curso de Acesso a Capital:  Identifique as fontes de recursos disponíveis à sua Startup, o momento certo para captá-los e aprenda a negociar com investidores.

Faça agora sua inscrição em:  www.inovativabrasil.com.br/plataforma/curso/detalhe/8/acesso-a-capital

InovAtiva Brasil divulga 300 startups selecionadas para 2º Ciclo de Aceleração de 2016

O InovAtiva Brasil anunciou nesta segunda-feira (25/07) a lista de 300 startups selecionadas para participar do segundo Ciclo de aceleração do programa em 2016. Foram selecionadas empresas de 24 Estados mais o Distrito Federal, com destaque para as áreas de atuação em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), serviços, saúde e agronegócio.

Criado em 2013, o InovAtiva Brasil é o maior e mais abrangente programa de aceleração para empresas iniciantes com propostas inovadoras. O Sudeste foi a região com o maior número de selecionadas (118), impulsionado pela capital paulista, responsável por 23,67% do total de selecionados do programa. A região Sul teve 101 selecionados, seguida do Nordeste (50), Centro Oeste (16) e Norte (15).

“O objetivo do InovAtiva é proporcionar qualificação e mentoria de nível mundial para empreendedores inovadores em qualquer lugar do país, principalmente fora dos grandes centros, onde esse apoio qualificado quase é inexistente”, afirma Marcos Vinícius de Souza, Secretário de Inovação e Novos Negócios do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Ele destacou alguns dados entre as 300 empresas selecionadas: mais de 70% tem um produto pronto no mercado ou um Mínimo Produto Viável (MVP) sendo testado com clientes, e 22% delas já receberam investimento. “O desafio do programa sempre foi ganhar escala sem perder a qualidade na capacitação e seleção das startups. Esses números, e o feedback positivo que temos dos mentores e parceiros que se conectam com essas empresas, mostram que conseguimos isso”, diz.

Foi a atuação de parceiros como o Sebrae que possibilitou a expansão do programa. “A entrada do Sebrae tornou o InovAtiva mais robusto e possibilitou que, pela primeira vez, o programa tenha um segundo ciclo de aceleração em um mesmo ano. Isso abre as portas para o sucesso de cada vez mais negócios inovadores, com menos burocracia e mais acesso a investidores”, comenta Guilherme Afif, presidente do Sebrae.

Leandro Carioni, diretor do Centro de Empreendedorismo Inovador da Fundação CERTI, responsável pela execução do programa, lembrou também o apoio dos Agentes InovAtiva, uma rede de mais de 100 pessoas e entidades ligadas a ambientes de empreendedorismo e inovação em todo o país que auxiliam na divulgação e captação de projetos de startups. Ele destacou ainda que a conexão entre os mentores e empreendedores cria um ambiente propício para novas oportunidades e geração de novos empregos. “Com o InovAtiva, diversos negócios nas áreas de TI, saúde, transporte e serviços ganham destaque e podem ser conectados a possíveis investidores. São bons projetos que, com a aceleração no InovAtiva, podem se tornar referência mundial nos seus mercados”, reforça Carioni.

Sobre o InovAtiva Brasil:

Criado em 2013 pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), o InovAtiva Brasil é um programa que auxilia e orienta empreendedores iniciantes com uma boa tecnologia mas pouco conhecimento de negócio, oferecendo capacitação e mentoria para o estabelecimento de novos negócios inovadores. O Programa, executado pela Fundação CERTI, conta com a co-realização do Sebrae e tem o Senai como parceiro estratégico. O programa oferece capacitação em empreendedorismo inovador, conexão com parceiros, mentoria com profissionais renomados e vantagens em outros programas públicos e privados de fomento à inovação. Toda a Comunidade InovAtiva de usuários cadastrados pode acessar gratuitamente o conteúdo de capacitação em cursos. Já a participação nos ciclos de aceleração é restrita a projetos inscritos e aprovados pelos avaliadores do programa. São até 300 vagas disponíveis para entrada em cada ciclo e até 125 são selecionados para etapa final, em que apresentam seus negócios a empresas e investidores.

Confira aqui a lista das startups aprovadas para o Ciclo 2016.2.

Case InovAtiva: Mereo é tema de mestrado em universidade britânica

Fundada em Belo Horizonte (MG) em 2012, a Mereo é uma startup que cria estratégias e fornece soluções para empresas através de softwares. Após receber capacitação, mentoria e conexão no programa InovAtiva Brasil, a empresa fundiu sua tecnologia com o conhecimento gerencial para desenvolver estratégias de mercado para seus clientes. Este ano, a Mereo foi convidada por um estudante de mestrado da Cass Business SchoolCity University London, para ser tema de um diagnóstico que mede o grau de inovação de uma startup.

A história da Mereo no InovAtiva teve início numa sexta-feira, quando Ivan estava a caminho de casa e ouviu no rádio que as inscrições para o programa de aceleração estavam no fim. A motivação foi instantânea pois Ivan percebeu que, dessa forma, conseguiria capacitação, mentoria e acesso a investidores para alavancar o projeto. ‘‘O InovAtiva proporcionou avanço em algumas frentes de internacionalização e tenho certeza que, por este motivo, a empresa está crescendo com o passar dos anos e com as práticas que desenvolvemos após as mentorias’’, afirma Ivan Cruz, diretor da startup.

O estudante de mestrado Silvio Regis, que estuda por meio da bolsa de estudos concedida pela governo britânico, convidou a startup a ser objeto de um diagnóstico que mede o grau de inovação de uma organização. “Quando recebemos o convite nem acreditamos. Pudemos direcionar o trabalho do estudante da melhor forma possível. Estamos ansiosos pelo resultado final”, afirmou Ivan.

A proposta da Mereo é detectar os desafios enfrentados pelas empresas, além de medir o desempenho de quem está ligado à empresa.  A plataforma utilizada pela startup envolve tecnologias em sistema na nuvem. Está disponível na web e possui boa produtividade em tablets. A partir do segundo trimestre de 2016, será lançado como aplicativo em versões para Android e iOS.

Em 2015, a Mereo firmou uma parceria para auxiliar na gestão dos resultados da Fundação Lemann, que desenvolve e realiza pesquisas e projetos inovadores na área da educação. Por meio da plataforma inserida pela startup, a Fundação pode acompanhar os resultados e planos de ação, como análises financeiras (gestão orçamentária) e gestão de talentos (avaliação das competências dos colaboradores).

Para o Felipe Proto, Gerente Administrativo e Financeiro da Fundação Lemann, a parceria com a Mereo trouxe uma segurança de monitoramento de equipe. ‘‘Iniciamos o ciclo de análise dos resultados, permitindo que ações mais efetivas sejam estabelecidas. Além de ter o acompanhamento, a Mereo também nos permite um monitoramento mais eficiente das nossas ações” afirma Proto.

Vale lembrar que a Mereo trabalha com práticas simples, focada em métodos analíticos e se diferencia por fornecer estratégias e uma solução completa em softwares. Com todas essas qualificações, em 2015, foi destaque e finalista do InovAtiva Brasil. “A passagem da Mereo pelo programa foi muito importante pois tivemos acesso a excelentes mentores, que, além de questionarem alguns aspectos cruciais do nosso negócio, ajudaram a modelar melhor a nossa proposta de valor”, finaliza Cruz.

Saiba mais sobre a Mereo em:

www.mereo.com

www.facebook.com/MereoConsulting

inovativa@inovativabrasil.com.br