Posts

InovAtiva Brasil está com inscrições abertas para o ciclo 2021.2 do programa de aceleração

As inscrições para o Ciclo 2021.2 do InovAtiva Brasil estarão abertas até 19/07 para todos os negócios inovadores interessados no  programa de aceleração no segundo semestre  A equipe de seleção procura projetos que desenvolvem soluções inovadoras em produtos ou serviços em estágio de validação, operação e tração que estejam em busca de conexão com o mercado e investidores.

O InovAtiva Brasil oferece conteúdos e treinamentos valiosos para empresas que estão buscando se firmar no Brasil. Até 360 empreendedores serão escolhidos para a primeira etapa, de aceleração. Nesta, são oferecidas mentorias coletivas e individuais baseadas em entrevistas personalizadas com os gestores do programa para entender melhor quais as necessidades específicas de cada participante. A plataforma desenvolvida aos empreendedores selecionados em cada ciclo também disponibiliza cursos de modelagem financeira, validação da proposta de valor, acesso ao mercado e capital e compartilhamento de propriedade intelectual.

Após a primeira etapa, até 140 empresas serão escolhidas para avançar para a Etapa de Conexão. Nela, são oferecidos conteúdos mais específicos para seu nicho de atuação e treinamentos de pitch, além da chance de participar do InovAtiva Experience, evento de encerramento do ciclo, no qual os empreendedores têm a oportunidade de apresentar seus negócios para uma banca de investidores, grandes empresas e aceleradoras.

Os benefícios do InovAtiva Brasil

O InovAtiva Brasil é um dos programas de aceleração e conexão de negócios inovadores do InovAtiva, hub de inovação que promove um conjunto de iniciativas de apoio ao desenvolvimento do ecossistema de empreendedorismo inovador no Brasil. Em 2020, o InovAtiva foi eleito, pelo segundo ano consecutivo, o principal fomentador do ecossistema de inovação do país pelo ranking 100 Open Startups – plataforma internacional de maior impacto na geração de negócios entre grandes empresas e startups. Em 2017, foi considerado como benchmark de política de inovação pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

“Os negócios inovadores que participam dos ciclos de aceleração do programa se beneficiam muito com as oportunidades de conexão e visibilidade, que trazem a elas várias oportunidades de negócio.” diz Gabriel Pignat, gestor de aceleração do InovAtiva Brasil.

Segundo o gestor, o InovAtiva tem a maior rede de mentores do Brasil. E é com estes profissionais que os empreendedores selecionados têm a oportunidade de aprender a lidar com seus negócios. “Além de todo o conteúdo compartilhado com os selecionados, os participantes que chegam até o final da segunda fase têm a oportunidade de se apresentar para uma banca de investidores e conseguirem, eventualmente, um aporte financeiro e parceiro estratégico para o seu negócio”, pontua Gabriel, como uma das principais vantagens dos ciclos.

Passadas as atividades obrigatórias da primeira fase do ciclo, os negócios participantes recebem o selo de Acelerada pelo InovAtiva. Aqueles que forem selecionados para a segunda fase  e que cumprirem todo o cronograma de atividades, chegando ao final do ciclo, recebem outro selo: Graduada pelo InovAtiva. Além de todo o conhecimento oferecido aos empreendedores, esses selos têm muito valor no mercado.

“Como o maior programa de aceleração de startups da América Latina, o InovAtiva Brasil tem um reconhecimento muito grande. Por isso, as companhias  que recebem os selos, tanto de Aceleradas, quanto de Graduadas InovAtiva, já se destacam conseguindo conexões com atores chave, bem como credibilidade e visibilidade”, diz Gabriel.

Conheça mais sobre o InovAtiva Brasil

O InovAtiva Brasil é o maior programa de aceleração de startups da América Latina. Voltado para negócios inovadores de todo o país, em todos os segmentos de atuação, o InovAtiva Brasil seleciona a cada ciclo até 400 negócios que estejam nas fases de validação, operação ou tração. São realizados, por ano, dois ciclos de aceleração de 4 meses de duração cada um.

Empreendedora há mais de 12 anos, Ariane Pelocioli já participou do InovAtiva Brasil em três ciclos, cada um com uma empresa diferente. Em 2014, ingressou com a Piipee. “Na época, o InovAtiva foi um divisor de águas, pois ainda não vendíamos o produto e participar do programa nos despertou a urgência de colocar o produto no mercado”, comenta.

Em 2018, participou com a Boletão e, em 2020, com a iUPay. “Além de todo o conteúdo que nos auxilia nas diferentes fases e estágios da startup, o InovAtiva sempre trouxe muito networking. Essas são conexões que permanecem e continuam dando resultados sensacionais mesmo após o final da aceleração, além da credencial super relevante de ser uma startup acelerada Inovativa. Por isso, toda startup precisa participar”, compartilha Ariane.

“Estar do InovAtiva significa ganhar prêmios do começo ao fim. Sua startup recebe esses prêmios em forma de mentorias, material para leitura, cursos, contatos com os mentores – muita coisa boa! Para mim o principal e maior benefício que nossa startup recebeu foi o conhecimento adquirido”, diz Eugênio Marques, fundador da Sysvale Softgroup, startup de soluções tecnológicas para a área da saúde, acelerada no ciclo 2020.2 do InovAtiva Brasil.

Desde 2013, o programa já acelerou 1195 negócios inovadores. “É muito gratificante acompanhar a evolução e o amadurecimento das startups ao longo de todo o processo de aceleração, inscrição no programa até a apresentação para a banca de investidores no evento final do ciclo, e saber que o trabalho da Equipe InovAtiva fez a diferença não somente na vida dos empreendedores, mas também no fortalecimento do ecossistema como um todo”, comemora Gabriel Pignat.

 

Inscrições abertas Ciclo 2021.2: Inscreva-se até 19/07

Acesse a nossa Central de Dúvidas e saiba mais sobre como se inscrever

InovAtiva Day: conheça a história da Rocket.chat, startup brasileira presente em mais de 170 países

“Ao longo de uma noite em claro, regada a Red Bull e pizza”. É assim que o CEO e fundador da Rocket.chat, Gabriel Engel, descreve o início de sua empreitada empreendedora durante o painel de abertura do InovAtiva Day, evento organizado pelo InovAtiva, que aconteceu no último dia 19. Dando, assim, origem ao aplicativo multiplataforma de código aberto de comunicação corporativa que tem feito sucesso nos quatro cantos do mundo, marcado pela ideia da colaboração em todas as suas etapas de crescimento.

O projeto nasceu com a simples concepção de que “a comunicação só funciona quando todos podem acessar a todos em uma só plataforma”, conta Gabriel em sua apresentação, referindo-se ao diálogo entre empresa e clientes, mas também entre funcionários dentro de uma organização.

“Estávamos tão entusiasmados com essa ideia, que decidimos torná-la de código aberto. Publicamos a fonte do programa da internet para que qualquer pessoa pudesse baixar, alterar e nos ajudar a construir. Com essa contribuição de desenvolvedores ao redor do mundo, almejamos criar uma plataforma melhor do que poderíamos criar sozinhos. Mas, nunca poderíamos imaginar o que aconteceu depois. Em pouco mais de 24 horas, alguém publicou nosso código na Hacker News, um agregador de notícias da Y Combinator, uma das maiores incubadoras do mundo. Quando a gente viu, começamos a ter mais de 30 mil pageviews de uma hora para outra”, compartilha Gabriel.

A partir daí, o projeto ficou cada vez mais conhecido nos círculos de desenvolvedores, justamente pela característica do código aberto, e o fundador começou a ser convidado para apresentar seu trabalho em fóruns internacionais. Foi assim que Gabriel fez conexões valiosas para pedir conselhos de empreendedores de sucesso internacional e então fazer crescer seu negócio.

Uma das suas primeiras conexões foi um dos fundadores do Git Hub, para quem Gabriel já tinha uma lista de perguntas, no caso de conhecê-lo. Segundo ele, a principal foi como era seu processo de tomada de decisões. A resposta: “tento sempre maximizar o quão interessante será minha vida depois de cada decisão.” Este conselho foi levado a sério e pautou a jornada do empreendedor com sua empresa.

Uma das principais dúvidas dele era como monetizar um produto gratuito e de código aberto, característica que não queria deixar de lado. “Chegamos a um ponto que começamos a perder dinheiro, mesmo com cada vez mais pessoas utilizando a plataforma”, compartilha. Neste momento, a própria comunidade de usuários começou uma “vaquinha” de doações para que a Rocket.chat pudesse continuar. “Foi aí, que percebemos que estávamos fazendo a coisa certa”, diz.

O produto continuou chamando a atenção da comunidade até que um grande investidor, Harry Weller, entrou em contato com Gabriel, interessado em investir na Rocket.chat. “O cara era uma lenda. Infelizmente, fomos seu último investimento, porque ele faleceu logo depois”. O aporte financeiro que receberam garantiu que o trabalho continuasse e que eles pudessem, de fato, criar um mecanismo para monetizar o produto sem perder a característica essencial do compartilhamento com desenvolvedores ao redor do mundo.

“O código aberto funciona como nosso topo do funil. Ele é gratuito, um monte de gente pode usar, mas a partir daí o usuário tem acesso ao nosso marketplace, onde tem novas funcionalidades gratuitas e pagas. Então, aquele usuário que mesmo que está hoje usando o serviço de graça, às vezes, decide que precisa de mais segurança ou mais suporte e opta por comprar a versão Bronze, Silver ou Gold do nosso chat ou Pro Enterprise do nosso que é o produto instalado do teu próprio computador ou servidor”, explica Gabriel.

A Rocket.Chat atualmente

Hoje, a Rocket.chat tem um time de mais de cem pessoas espalhadas pelo mundo: “toda hora tem alguém acordado em algum lugar”, brinca. Apesar do trabalho remoto devido não só à distância, mas também à pandemia da Covid-19, o CEO ainda defende o quão importante é o contato presencial dos funcionários de uma empresa.

“As pessoas sempre trabalham melhor depois que elas se conhecem. As companhias precisam investir em criar situações nas quais as pessoas possam, um dia, sair para tomar uma cerveja, jantar, fazer uma aventura e se conhecer. Nos encontramos pelo menos uma vez por ano.”  E ela continua crescendo. Hoje, com quase quinze milhões de usuários registrados, quase um milhão de servidores instalados no mundo, as perspectivas só aumentam para o futuro.

Gabriel aconselha novos empreendedores a pensar em modelos de negócios diferentes e não terem medo de arriscar. “Na medida do possível já comece pensando em nível global. Muitas vezes, pelo Brasil ser um país tão grande, as pessoas ficam acomodadas e pensam somente no mercado nacional. Mas a única forma de crescer é já iniciar o planejamento com a concepção de atuar internacionalmente”, finaliza.

 

Confira os principais resultados do primeiro evento InovAtiva Day: InovAtiva Day em números

Conheça 4 fintechs que têm mais de um setor de atuação

O mercado de fintechs vem crescendo ano após ano. Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), este é o segundo setor com mais soluções tecnológicas inovadoras, ficando atrás apenas da área educacional. Além disso, de 2015 a 2019 apresentou um aumento de 28,3%.

Neste cenário competitivo, Confira 4 startups aceleradas pelo programa InovAtiva Brasil que adotaram esse modelo e conheça seus diferenciais:

Construção Civil

O OrçaFascio é um software de orçamento de obras focado na facilidade de uso. Desenvolvido para seguir rigorosamente todos os padrões e as normas do Tribunal de Contas da União (TCU), com uma detalhada assertividade e precisão nos cálculos, é considerado por especialistas um dos melhores softwares para concorrer a licitações públicas no Brasil. O sistema conta com 19 bases de composição, incluindo SINAPI, SICRO e SBC, todas atualizadas de forma automática e sem custo adicional para o usuário. A startup também fornece medição, diário de obra e módulo compras.

Cultura

A CREBIT desenvolveu um cartão digital que promove a inclusão do público jovem que não tem acesso a crédito tradicional, mas quer e precisa comprar serviços e produtos online. Tudo isso com uma experiência financeira diferente, simples e completa, com taxas revertidas em bônus no celular, games, cinema, entre outros. E o melhor: sem chances de dívidas.

Educação

O Juros Baixos é um comparador de serviços financeiros e canal de educação financeira. Sua missão é facilitar e guiar decisões monetárias conscientes e inteligentes com base nos valores de transparência, objetividade, liberdade, autonomia e foco no usuário. A startup também oferece crédito, investimentos, seguros, serviços bancários, meios de pagamento, câmbio, gestão de recursos e assessoria financeira.

Reciclagem

A Coletando é a primeira Green Fintech do mundo a disponibilizar pontos móveis, que promove uma economia circular ecológica, trocando lixo por dinheiro em comunidades. A startup oferece oportunidade para pessoas em situação de vulnerabilidade social de renda imediata, bancarização para acesso a oferta de serviços diversos, bem como a melhoria da qualidade ambiental. Isso porque o usuário que entrega os resíduos recebe uma conta digital com ou sem cartão físico, na qual é depositado um valor monetário referente ao que ele entregou.

Quer conhecer outras fintechs que participaram dos programas de aceleração InovAtiva Brasil e InovAtiva de Impacto? Acesse a lista completa de aceleradas.

Empreendedorismo feminino ajuda a combater a desigualdade de gênero no Brasil

O Brasil ocupa, atualmente, a 92ª posição no Ranking de Desigualdade de Gênero do Fórum Econômico Mundial, numa lista com 153 países. O país é o que tem uma das maiores disparidades entre gêneros na América Latina: ocupa o 22º lugar entre 25 nações, de acordo com o mesmo relatório. 

Esses dados são desanimadores, ainda mais quando analisamos o índice de mulheres em cargos de CEO e Diretora Executiva, que é de 15% de acordo com o Business Report (IBR). Felizmente, o cenário é diferente no universo das startups. No InovAtiva Brasil, por exemplo, registramos um aumento de 700% em números gerais de empreendedoras participantes de 2013 em comparação a 2018. 

Abaixo destacamos quatro mulheres que nos ajudaram a deixar o InovAtiva Brasil ainda mais especial:

  • Camila Remonato e Camila Colombo, co-fundadoras da startup Allps Alimentos Saudáveis, participaram do nosso Ciclo 2019.1. Elas superaram grandes desafios e, juntas, transformaram uma ideia em projeto. Por ser um negócio pensado e executado por mulheres, sua recepção no mercado foi mais difícil pois o mundo do empreendedorismo é majoritariamente masculino. Suas ações fortalecem o empreendedorismo feminino todos os dias e impactam ainda mais o ecossistema de startups brasileiro ao mostrar que as mulheres têm realmente “o poder de fazer isso”;
  • Daniele Yokoyama atua como mentora do InovAtiva, além de ser Gerente de Operações de Experiência do Cliente com foco em Customer Success da Conta Azul. Integrou durante dois ciclos no programa do InovAtiva Brasil no ano de 2019. Seu trabalho inclui o olhar focado naquilo que dá certo, com análise do produto e da empresa e buscando o sucesso do cliente. Junto ao programa, ela busca transformar o ecossistema brasileiro e desenvolver cada vez mais o empreendedorismo feminino;
  • Aísa Pereira, mentora do InovAtiva Brasil e Sales Consultant da Porto Digital, criou a metodologia da “Engenharia de Vendas para Empresas de Software”, na qual o pilar é “olhar através dos olhos do cliente”. Para Aísa, o processo de mentoria deve ser pensado de forma reversa, com a discussão sobre resultado do uso do produto. Junto com ela, vamos impactar empreendedoras de todo Brasil com capacitações e treinamentos.

 

Saiba mais dessas mulheres fantásticas nas nossas redes sociais!

Dia dos Namorados: encontre o presente perfeito pelo menor preço!

O Dia dos Namorados chegou e você ainda não garantiu o presente do seu amor? Então essa matéria é para você! Preparamos uma lista de startups aceleradas pelo programa InovAtiva Brasil que oferecem produtos e serviços que podem te ajudar a escolher o que dar ao seu(sua) parceiro(a) e, claro, por um valor que cabe no seu bolso.

Sugestões de Presentes

Para esportistas

Seu parceiro(a) é ativo, gosta de praticar esportes e está preocupado com a sustentabilidade? Então a Astan Bike é o presente perfeito para ele(a)! A bicicleta é uma das mais leves e resistentes do mercado, oferece conforto para percorrer grandes distâncias e tem o conceito de sustentabilidade intrínseco, desde sua concepção até o descarte.

Para amantes de bebidas

Se o(a) seu(sua) companheiro(a) curte um happy hour e gosta de experimentar diferentes bebidas, nossa dica é usar o UMABIRA na hora de escolher o presente. O aplicativo permite que o usuário compartilhe as promoções de cerveja.

Agora, se a ideia é dar uma cerveja artesanal, o marketplace Bebedores de Cerveja é a melhor alternativa. Ele conecta cervejarias artesanais com os apreciadores de uma boa cerveja.

Porém, se o seu(sua) amado(a) prefere um vinho, o Eu Sommelier deve ser a sua fonte de busca. O aplicativo faz indicações de rótulos com ótimo custo-benefício em estabelecimentos como restaurantes, lojas e supermercados.

Para viajantes

Quer surpreender e dar uma viagem de presente de Dia dos Namorados? Comece pelo buscador de passagens aéreas Mevow, que apresenta os destinos possíveis, organizados por preço, de acordo com a origem do usuário.

Com a passagem comprada, é preciso reservar hospedagem. Nesse momento, o TripRadar é essencial. Nele, são oferecidas opções de pacotes, possibilitando que o comprador encontre um preço justo com vantagens exclusivas para se hospedar em lugares incríveis.

Para homens que querem ter novas experiências

A sua intenção é sair do comum e dar um presente inovador para o seu namorado? Então veja as opções que o Original Men possui. Você pode escolher entre aula de drinks com café, um workshop de caipirinhas, dirigir uma Ferrari, pilotar um avião, levar seu amado até um parque de diversões com 22 máquinas de Pinball e arcades clássicos, curso de mecânica de bikes, sessão de flutuação e muito mais!

Para quem gosta de cosméticos

Contudo, se maquiagem ou cuidar da aparência for uma paixão do(a) seu(sua) parceiro(a), você não pode deixar de consultar o Cosmético Já. O marketplace online conecta as empresas produtoras de cosméticos com os consumidores.

Por fim, não deixe de economizar!

Agora que você já tem uma ideia do que vai dar de presente, chegou a hora de comparar os preços. Afinal não é preciso gastar muito para dar um bom presente, não é? Conheça as ferramentas que você pode utilizar para isso:

  • Reduza – plataforma que automatiza o processo da busca por descontos na internet de modo a facilitar a vida dos consumidores online, economizando tempo e dinheiro;
  • ComOferta.com – aplicativo que disponibiliza ofertas mostrando fotos e prazo de validade;
  • WeWaant.com – plataforma para negocia com o fornecedor pelo cliente, garantindo o menor preço com a mesma segurança.

Com todas essas dicas, não tem como não agradar seu amor!

O que o InovAtiva tem de diferente dos demais programas de aceleração?

O maior programa de aceleração de startups da América Latina oferece, gratuitamente, mentoria para empreendedores de todo Brasil que atuam com tecnologias inovadoras para qualquer segmento. Além disso, no InovAtiva Brasil, as startups têm a oportunidade de se conectar com investidores, grandes empresas, aceleradoras e participar de programas e eventos de empreendedorismo. Mas não é só isso que torna o programa especial.

Visibilidade

De acordo com Elber Fabrício Laranja e Thiago Critter Chiliatto, fundadores da Antecipa Fácil, que já participaram de outros programas de aceleração, o InovAtiva é o que mais gerou visibilidade para a startup. “No quesito alcance de mercado, sem dúvida, esse programa é diferenciado. Por ele circulam pessoas influentes e com conexões que podem mudar os rumos de uma empresa que está iniciando suas atividades, como a nossa. O fato de ficarmos entre as 12 empresas destaque do programa também contribuiu muito, dado que isso gerou para nós um grande espaço na mídia espontânea”, afirma Laranja.

Esse também foi o aspecto que mais chamou a atenção de Egmar Rocha, CEO da EasyThings. Para ele, o alcance e divulgação alcançados foram elementos que só o InovAtiva lhe proporcionou. Contudo, outra característica do programa também foi de extrema importância para ele: as sessões de mentoria.

Aprendizado

“Me inscrevi no InovAtiva com o objetivo principal de obter mais conhecimento e expor a solução para um maior número de pessoas. Não foi difícil atingi-lo e superá-lo. Nos foram apresentados mentores de altíssima qualidade e com uma ampla experiência. As informações que recebi estão sendo fundamentais para a atualização do modelo de negócio”, comenta Rocha.

“Participamos do InovAtiva em 2017 e foi um programa muito interessante para a abertura de novos contatos, fazer o networking e conhecer possíveis investidores para quando estivéssemos maduros o suficiente com a solução.  Toda a parte de mentoria e know-how que foi prestado para que pudéssemos nos desenvolver como profissionais, gestores da empresa e conseguir tocar o nosso negócio também foi fundamental”, reitera Caroline Dellacorte, cofundadora da PackID, startup acelerada pelo programa.

Experiência

Com intensas atividades online e presenciais, os empreendedores aprendem a elaborar pitchs e apresentam seus projetos aos maiores investidores e mentores do país. Essa empreitada já proporcionou bons resultados para diversas startups que foram aceleradas pelo programa.

Quer fazer parte dessa história?

E também agregar valor à sua startup, se conectar com os principais players do ecossistema e trocar experiência com outros empreendedores? Fique atento ao nosso site e redes sociais.

As inscrições para o próximo ciclo InovAtiva Brasil começam em breve!

24 das 100 startups mais promissoras do Brasil passaram pelo InovAtiva Brasil, InovAtiva de Impacto ou Startout Brasil

No início do mês, a revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios divulgou a lista das 100 Startups para ficar de olho em 2019, com a pretensão de contribuir para um ecossistema cada dia mais competitivo. Elas foram escolhidas dentre 2.200 empresas por um grupo de 80 consultores, especialistas e investidores das consultorias EloGroup e Corp.vc e dos veículos PEGN e Época NEGÓCIOS.

Quesitos usados na avaliação

  1. Potencial para transformar mercados e impactar consumidores;
  2. Dificuldade para que concorrentes repliquem a solução;
  3. Tamanho do mercado, aderência e tendências de consumo, acesso a público-alvo e facilidade de entrada no mercado;
  4. Capacidade de expandir a operação com velocidade, ganhar capilaridade e acessar recursos financeiros;
  5. Experiência prévia dos fundadores na área de atuação da empresa;
  6. Qualificação técnica da equipe;
  7. Relação entre a maturidade da operação e os resultados alcançados (protótipo, validação, MVP, tração e escala).

As startups que se destacaram entre as milhares de empresas nascentes no país demonstram potencial para transformar mercados, impactar consumidores e revirar indústrias. Além disso, seus produtos e serviços têm capacidade de escala e de atrair os investimentos corretos para o seu crescimento.

Desses negócios, quase ¼ passou pelo programa InovAtiva Brasil, InovAtiva de Impacto e/ou StartOut Brasil. Confira abaixo essas startups que se destacaram na segunda edição do “100 Startups to Watch”:

  • Agronegócio: Grão Direto (InovAtiva Brasil 2017.1); Jetbov (InovAtiva Brasil 2015); Olho do Dono (InovAtiva Brasil 2016.2); e Safetrace (InovAtiva Brasil 2017.1)
  • Educação: Redação Online (InovAtiva Brasil 2017.1)
  • Gestão: Biz.u (InovAtiva Brasil 2016.2); Checklist Fácil (StartOut Lisboa e Santiago); Niduu (InovAtiva Brasil 2018.2); e Rocket.Chat (StartOut Berlim e Lisboa)
  • Impacto: Biosolvit (InovAtiva 2018.1, InovAtiva de Impacto 2018.2 e StartOut Paris, Lisboa e Santiago); Sumá (InovAtiva de Impacto 2016.2), key2enable (StartOut Santiago e Toronto); e O Polen (InovAtiva Brasil 2018.2)
  • Indústria: BirminD (InovAtiva Brasil 2017.1 e StartOut Paris e Berlim); e I.Systems (StartOut Miami e Santiago)
  • Marketing e Vendas: Lett (InovAtiva Brasil 2014 e StartOut Buenos Aires); Postmetria (InovAtiva Brasil 2015); Shelfpix (InovAtiva Brasil 2018.1 e StartOut Berlim, Lisboa e Toronto); Squid (InovAtiva Brasil 2013); e Standout (InovAtiva Brasil 2017.1)
  • Saúde e Bem-Estar: Ephealth (InovAtiva Brasil 2016.1)
  • Serviços: Justto (InovAtiva Brasil 2016.2); e Midhaz (InovAtiva Brasil 2018.2)
  • Tecnologia da Informação: Nama (InovAtiva Brasil 2016.1)

Estratégia e Modelos de Negócio para Startups

Você já deve ter se deparado em algum momento de sua vida com situações onde era necessário se fazer uma escolha. Seja na hora de decidir entre aparelhos de celular ou na hora de escolher um lugar para onde você vai viajar nas próximas férias, cada vez que uma decisão como essa é tomada, estamos abrindo mão de vários outros cenários e alternativas. O processo de fazer escolhas é necessário para que possamos evoluir, e, no mundo do empreendedorismo, ele é ainda mais relevante, porque dita, muitas vezes, onde vamos chegar como empreendedores.

 

Quando falamos de construir modelos de negócios, fazemos escolhas iniciais em relação ao valor que queremos gerar e como vamos fazer isso, a como e para quem desejamos entregar esse valor e como vamos capturar valor a partir dessa transação. Na primeira mentoria coletiva do InovAtiva Brasil, discutimos um pouco sobre isso, e os acelerados do ciclo 2019.1 puderam fazer várias perguntas e entender mais sobre como desenvolver essas estratégias. Vamos discutir sobre o tema por aqui também!

 

Que valor queremos gerar para nosso público?

 

A discussão central do modelo de negócios de qualquer startup diz respeito ao valor que ela gera. Valor é tudo aquilo que é percebido como benefício pelo consumidor ao ter contato com um produto ou serviço. O status de se ter um iphone ou a flexibilidade em se ter um Android deixam claro que essa discussão vai muito além do produto em si. Afinal, a grosso modo, os dois são aparelhos móveis de telefonia e internet. O que os diferencia está muito mais atrelado ao que percebemos em relação a cada produto do que qualquer outra coisa.

Como vamos gerar esse valor?

 

A visão interna de como gerar o valor desejado é crucial para o sucesso de qualquer projeto. Seja pela discussão dos principais processos do negócio ou dos recursos ou parceiros que viabilizam essa geração de valor, entender quais são esses pontos críticos é fundamental para que o valor que se quer entregar não seja apenas uma promessa. Produtos e serviços duráveis e perenes são aqueles que cumprem a promessa de valor que fazem. Se a Mercedes não entregasse uma experiência premium em todos os seus produtos, provavelmente fracassaria no mercado.

Como e para quem desejamos entregar esse valor gerado?

 

A entrega de valor está pautada na definição dos segmentos de clientes que temos, como eles se comportam e o que é relevante para eles como consumidores. Além disso, é preciso definir quais as melhores formas de nos relacionarmos com nossos clientes para construímos uma marca forte e quais os melhores mecanismos de venda de nossos produtos ou serviços.

Como capturar valor?

Por fim, entra o debate de quanto essa operação custa e como vamos ganhar dinheiro com ela. A relação de custos e receitas é fundamental para entendermos se o projeto para de pé. Afinal, não podemos, em hipótese nenhuma, sermos românticos a ponto de ignorar que, sem dinheiro, o negócio não existe, já que toda empresa visa o lucro ou sua sustentabilidade financeira.

 

Note que, dentro desses quatro pontos citados acima, estamos falando, essencialmente, em fazer escolhas. E é fundamental que elas sejam feitas. Em muitos casos, empreendedores se colocam em cheque na hora de fazer essas escolhas porque sentem que estão afunilando demais o seu range de oportunidades. Fazer escolhas dentro de startups e de novos negócios é fundamental porque dá foco a operação.

 

O maior desafio de qualquer startup que está em sua fase inicial, é a capacidade de realizar testes, aprender rápido e, se necessário, mudar seu percurso de forma que ela se aproxime cada vez mais do sucesso. Fazer escolhas certeiras e focadas se torna uma habilidade fundamental nesse contexto, visto que fica mais fácil escolher que hipóteses precisam ser validadas primeiro e como isso deve ser feito.

 

Ainda falando sobre escolhas, mas, agora, olhando para o futuro e para os desafios de crescimento de uma startup, chegamos na discussão da estratégia do negócio. Fala-se muito no mercado tradicional do famoso planejamento estratégico, que envolve análises macro e micro-ambientais, análises de negócio e financeiras, além da própria operação, de mercado, entre várias outros possíveis estudos que suportam os processos decisórios de grandes empresas. Esses negócios de grande porte fazem esse esforço porque tomam decisões de longo prazo, de planos que vigoram, em média por pelo menos 05 anos dentro dessas empresas.

 

É utópico pensar que startups e pequenos negócios conseguem trabalhar com planos de 05 anos. Muitas não conseguem ter visibilidade do que vai acontecer nem mesmo nos próximos 06 meses. Por isso, é impossível pensar em um plano estratégico robusto e mega estruturado como os de grandes empresas.

 

Quando falamos em estratégias de pequenos negócios, falamos de definir alguns objetivos táticos claros como uma meta comercial definida, o índice de satisfação da sua base ativa de clientes, a taxa de reutilização ou recompra dentro de um aplicativo. São metas relevantes e de curto prazo que te ajudam a validar seus principais objetivos momentâneos, visto que ainda estamos falando de validação de hipóteses dentro de uma nova empresa.

 

Um livro muito legal que fala um pouco sobre essa questão é o “Must Win Battles“. Ele fala sobre como um planejamento estratégico robusto pode ser nocivo à novos projetos e como pensar em estratégia de um jeito mais simples e direto. Basicamente, o autor recomenda que as empresas trabalhem com batalhas claras e orientadas a resultados por ciclos menores de tempo, como 6 meses ou um ano. Além disso, ele limita a questão das batalhas ao máximo possível, com o máximo de 05 batalhas por ciclo. Afinal de contas, quem quer tudo, acaba não tendo nada. Novamente, a questão do foco se torna fundamental na perspectiva do empreendedor.

 

Por fim, é importante dar nomes aos desafios. Cada batalha precisa ter um dono. Ele será responsável por gerenciar os trabalhos para que aquela batalha seja vencida e, principalmente, prestar contas à gestão do negócio em relação a como está o seu andamento ao longo do tempo. Esse aprendizado constante é importante porque, diferentemente de negócios de grande porte, startups podem ter mudanças repentinas de estratégia caso os resultados não sejam satisfatórios na medida em que o tempo passa. O aprendizado precisa ser rápido, e a capacidade de mudar também.

 

Nas duas discussões, a capacidade de se fazer boas escolhas é o que vai fazer uma startup ir mais longe que a outra. A questão aqui não é, necessariamente, acertar nas primeiras escolhas feitas quando um projeto é criado, mas na habilidade de fazer escolhas de forma constante com base no aprendizado e manter o foco sobre elas para avaliar seu desempenho e realizar as mudanças necessárias quando o resultado não vem. Já parou para pensar que ter momentos específicos para se discutir contextos e fazer escolhas em equipe pode ser uma das atividades mais importantes de sua startup?

Conheça o perfil das startups aprovadas para o programa InovAtiva Brasil 2019.1

Foram 731 inscrições e 122 startups pré-aprovadas até chegarmos aos 105 negócios inovadores selecionados para participar do programa InovAtiva Brasil 2019.1. Nesta edição temos empreendedores de todas as regiões do país, representando 77% dos estados brasileiros, situados em 21 dos 27 estados do Brasil.

O ciclo 2019.1 terá 37% das startups vindas da região Sudeste, a mesma quantidade de empresas estabelecidas na região Sul; 18% situadas na região Nordeste; 7% localizadas na região Centro-Oeste; e 1% dos negócios são provenientes da região Norte.

Em comparação com o último ciclo, tivemos uma melhor distribuição regional, equilibrando a presença de cada região. Além disso, neste ciclo tivemos a inserção de cinco novos estados: Alagoas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso e Piauí.

52% dos selecionados têm mais de três anos de atuação, faturamento médio mensal de até R$ 30 mil (58%), vínculo com grandes empresas (59%) e funcionários fulltime (65%). A maioria dessas empresas oferece soluções B2B (67%), atua com modelo de negócio SAAS (51%) e não tem negócios similares no mercado (67%).

Essas startups, já formalizadas como empresas, têm vagas abertas (63%), contam com uma base crescente de clientes (79%), nunca passaram por aceleradoras (64%) e, tem como maior objetivo no InovAtiva Brasil 2019.1 conquistar investimento e se conectar com grandes empresas (63%).

As vezes, não vender é a melhor opção!

Por esse título, talvez você esteja imaginando que esse texto seja sobre não se comportar como vendedor para fechar a venda (o que pode funcionar) mas na verdade esse artigo é sobre Fit de compras e sucesso do cliente.

Acabei de ter um papo muito legal com o Lincoln Murphy (o papo do sucesso do cliente) para uma vídeo aula sobre CS que a Exact está fazendo e conversamos sobre muitas coisas legais, mas a que vejo maior pertinência para essa coluna de vendas é justamente o ponto onde falamos que muitas vezes, ao perceber que a venda não faz tanto sentido assim, o vendedor ainda força a barra e fecha o contrato.

Agora, você como vendedor pode estar me perguntando: “-Porque isso é errado? Eu trabalho por comissão e meu papel é vender”. É exatamente esse o mindset que deve ser mudado na nossa profissão. Ao vender para um cliente sem Fit ou Encaixe (por isso uso o termo em inglês, em português fica meio estranho). Vejo muitos vendedores preocupados em fechar o negócios, mas poucas vezes tive o prazer de ver uma empresa inteira focada no sucesso do cliente ao utilizar sua solução, e esse é um erro muito comum dos times comerciais, que pensam que essa pica esse problema não é deles.

E isso é tão errado! Quando um vendedor vende algo que não funciona para aquele cliente, ele está gerando problemas para a entrega, para a instalação (por exemplo), para o time de suporte, para o time de CS e principalmente para quem mais importa, para o cliente.

Vamos imaginar que você está vendendo para o cliente sem fit com grande frequência. Que confiança teu time e tua empresa terão em você? Cada vez mais irá se propagar a imagem do vendedor que só deixa bucha para o resto do time, até o ponto onde alguma das partes vai estourar…

Mas afinal, o que é esse tal Fit?

A ideia é saber exatamente o perfil de cliente que meu produto melhor se encaixa em (segundo o Lincoln Murphy) 5 pontos principais:

Fit Técnico: Atendo as necessidades técnicas do meu cliente? Minha solução entrega tudo que meu cliente precisa para ter sucesso ou ele precisa ter mais alguma ferramenta adjacente? Ele vai precisar fazer alguma gambiarra para rodar?

Fit Funcional: Minha ferramenta traz praticidade para o dia a dia do cliente? Existe algo que eu não contemple na minha solução que é ponto crítico na realidade atual dele e precisa mudar? A dor do cliente é resolvida parcialmente ou completamente pelas funcionalidades do meu produto?

Fit de Competência: Meu cliente vai conseguir usar minha solução? Ele vai conseguir tirar o melhor possível dela? Ele tem capacidade de executar o necessário para seu sucesso? (Muitas vezes, ao se fazer essa pergunta, várias empresas remodelam seus produtos e formatos de entrega).

Fit de Experiência: Que tipo de interação e experiência ele espera ao usar minha solução? Ele precisa de algum tipo de tratamento específico para ter o melhor resultado?

Fit Cultural: Temos os mesmos focos em moral, atitude ou crenças que nossos clientes? Ao usar meu produto, ele quebra alguma de suas visões? Minha solução vai contra algo que meu cliente acredita? Ele pode efetivamente aproveitar meu produto sem mudar culturalmente?

Problem/Solution fit

Encontrar o Fit (ou encaixe produto/mercado) inicia desde a concepção do MVP enquanto se percorre o ciclo de construir-medir-aprender. Startups de sucesso conseguem um encaixe excelente com o mercado, o que determina o motor de crescimento da empresa.

Olhando esses pontos, fica fácil de entendermos se é uma venda forçada, ou se realmente nossa solução se encaixa como uma luva para as necessidades do cliente. Se hoje durante sua venda, você não se preocupa com isso, talvez a empresa onde você trabalha não tenha foco em sucesso do cliente e isso (no longo prazo) pode dificultar bastante a vida do time de vendas (além de todos os outros problemas para a empresa).

Focar no sucesso do cliente faz com que a retenção do cliente seja mais fácil (e previsível) e que a possibilidade de novos negócios vindos da base de clientes (resell, upsell e crossell) seja mais monitorável e alcançável.

Agora a pergunta é: “-E que diabos eu, vendedor, tenho com isso? Não é para ter uma equipe específica para essa função, preocupada com o tal sucesso do cliente?”

Pois então, o ideal é a empresa inteira ter esse foco, e se falarmos que a venda tem o maior foco na entrada dos novos clientes, o vendedor é um dos maiores culpados responsáveis por esse sucesso, pois ele é ponta, é entrada, é validação e uma das primeiras interações que o cliente teve com a empresa, então é uma grande sacanagem com o resto da empresa vender para quem não tem jogo, na verdade se o vendedor focar somente no próprio umbigo, ele vai vender muita bucha para o resto do time. Se você é vendedor, não faça isso, pois no fim das contas estará criando um detrator no mercado, alguém que vai dificultar suas vendas no futuro e se você é gestor, corrija seu time para que ele não faça isso logo na primeira vez onde perceber que a venda foi forçada, pois essa bola de neve vai gerar tanta insatisfação que vai virar uma avalanche, possivelmente consumindo tanto dinheiro, energia e motivação de vocês que trará aquele pensamento de abandonar tudo e de como o cliente é mala, é ruim e etc.

Cliente bom reclama! Empresa boa melhora com essas reclamações!

As oportunidades de melhoria normalmente costumam vir disfarçadas de trabalho, e é nesse momento que o bom vendedor arregaça as mangas e encara de frente. Quanto mais nítido você deixar na visão do teu lead que você está preocupado com o sucesso dele logo de cara, mais fácil vai ser vender para ele, então use isso para aprimorar teus argumentos de vendas, mas tenha real interesse em alcançar esses resultados propostos e em ajudar seu cliente, assim você estará criando um potencial promotor da sua marca e da sua pessoa como um vendedor honesto e bom caráter, aumentando teu networking de clientes satisfeitos te indicando novas negociações.

*Kayuá Freitas é mentor InovAtiva e Gerente Comercial na Exact Sales. A coluna Vem pro ringue é publicada quinzenalmente aos sábados no blog InovAtiva. Leia outros post do autor:

Vem pro Ringue: Uma coluna sobre vendas

Supervendedor: Aprenda a vender com um coelho

Dentro do Ringue: Quanto mais cabeça, menos músculos!

Achando o ritmo: Encontrando a sequência perfeita para suas vendas

inovativa@inovativabrasil.com.br