Posts

Mulheres que apoiam e aconselham novos empreendedores a se destacarem no mundo dos negócios

Dentro dos ciclos de aceleração do programa InovAtiva Brasil, um dos papéis mais importantes são os dos mentores. São eles os responsáveis por instruir e direcionar novos empreendedores a aprimorarem seus negócios e gerar o crescimento pessoal e profissional. Parte desses profissionais de sucesso são mulheres que, com muito trabalho e determinação, conquistaram seu espaço no mundo dos negócios. Assim como na última reportagem, que mostramos empreendedoras que são exemplos para outras mulheres, o InovAtiva Brasil entrevistou, dessa vez, mulheres que doam seu tempo para indicar formas de fazer com que os projetos dos outros se desenvolvam com excelência.

A carioca Clarissa Luz é advogada e empresária e dedica seu tempo a plataforma Nós 8. Um ambiente em que ela e outros sete mentores oferecem um knowledge sharing para empreendedores, universitários criativos, desenvolvedores de aplicativos e profissionais de outros ramos. Eles podem tirar dúvidas sobre suas ideias e startups, fazer consultas, mediar conflitos e contar com a assessoria de oito especialistas sem ter que pagar por isso.

“Com meu trabalho ajudo a tirar soluções inovadoras do papel, que possam ser úteis aos problemas e lacunas do nosso país. Ainda vivemos uma cultura machista, com desigualdade de salários e falta de espaço no mercado. No mundo corporativo, são raras as CEOs mulheres. Em escritórios que trabalhei, menos de 5% eram advogadas e as grávidas corriam risco de demissão. Considerando que a maioria das mulheres empreendedoras estão na faixa dos 30/40 anos, existe a grande dificuldade em conciliar o negócio com o tempo a ser devotado à família”

Claudia Lopes é administradora de empresas e mora em São Paulo. Após 15 anos na área de Consultoria da PricewaterhoseCoopers e IBM, em 2011 começou a trabalhar como empreendedora. Montou o e-commerce presentensforyou. Logo depois de vender a plataforma, começou a investir no mercado imobiliário, com carteiras de imóveis.

“Cada vez mais vejo mentoras em eventos de startups e programas de aceleração. A mentora tem um papel importantíssimo e muita dedicação na avaliação e validação de cases. Projetos mentorados por mulheres ou que tenha mulheres na equipe tendem a ser mais bem sucedido. Cada vez mais teremos mentoras e investidoras em startups, seja de Impacto Social ou Tecnologias de Inovação”.

A carreira de empreendedora da curitibana Ariane Côrtes nasceu junto com sua gravidez. Com desejo de crescer profissionalmente e acompanhar o crescimento da filha, ela decidiu abrir a Aurora Consultoria, Assessoria e Treinamento. Nela, podia usar conhecimentos e a experiência que tinha para trabalhar e ter mais tempo da família.

“Existem algumas barreiras invisíveis que são pouco discutidas, como é o caso de você ter a credibilidade do seu trabalho questionada pelo simples fato de ser mulher. Acontece muito e o tempo todo. Outra coisa é as pessoas associarem características femininas a comportamentos não desejáveis nos negócios, como a afetividade, o acolhimento, o olhar para os detalhes. E, ao contrário do que historicamente tem se disseminado, isso torna o desenvolvimento dos negócios mais humanizado, mais leve, mais próspero. Ou seja, são características muito positivas”.

Publicitária com MBA Executivo e Especialização em Marketing, Kelly Galesi mora em São Paulo e trabalha há muitos anos em áreas de Inovação de grandes empresas, como a Brasil Foods. Dentro das empresas que passou, os desafio de inovação nas multinacionais são as mesmas batalhas de uma startup que a cada dia precisa disseminar, fomentar e provar que a empresa tem futuro.

“Na verdade, essa vontade sempre me perseguiu. Cresci vendo meu pai empreender por diversas vezes em sua vida e isso sempre me despertou curiosidade e vontade de fazer o mesmo. É fascinante o fato de você acreditar em você mesmo, em seu potencial e saber que pode ir longe com isso e ajudar diversas pessoas ao seu redor. E como mulher atuante nesse cenário, posso afirmar que em momento algum senti tratamento diferente por conta disso nas interfaces e experiências que tive. Costumo dizer que quem faz o preconceito existir são as próprias pessoas, pois ele pode estar nelas, mas não encontrará espaço para prosperar se os demais não derem liberdade e condição para isso. Por isso, mulheres nem deveriam pensar nisso. É questão de acreditar em si própria! E para empreender, essa é a lição número um”.

A força feminina no empreendedorismo inovador

Celebrado no dia 8 de março, o Dia da Mulher nos traz uma reflexão sobre o papel feminino no empreendedorismo. Embora a presença da mulher tenha crescido no mundo dos negócios, este número ainda é pequeno em comparação com a atuação masculina. E é justamente esse fator que se torna um combustível a mais para que elas lutem por mais espaço. O empreendedorismo feminino conquistou o Brasil e as mulheres mostraram que nos negócios não existe sexo frágil. Pensando em homenagear essas mulheres, o programa InovAtiva Brasil entrevistou algumas empreendedoras de sucesso que são exemplo de superação e determinação para outras mulheres e traz esse registro para vocês.


‘‘Já avançamos bastante, mas a luta só chega ao fim no dia em que os números forem equivalentes’’ – Renata Chemin, CEO da Bonuts – Curitiba/PR


Atriz, que trabalha desde criança, chegou a fundar sua própria companhia de teatro em Curitiba/PR, mas foi como empreendedora que se destacou. Ela criou o Bonuts, uma ferramenta de marketing digital que transforma conteúdo gerado pelo usuário em branding para marcas de qualquer porte. A ferramenta também oferece analytics completo das ações da marca e pode ser totalmente personalizável. Perguntamos quando ela identificou o potencial empreendedor e ela nos respondeu que sua carreira é diferente do comum. ‘‘Sou atriz desde os 8 anos e me formei em pedagogia. Tirando os estágios durante a faculdade, eu nunca tive um emprego comum e sempre fui dona do meu negócio, mesmo sem saber o que era empreender. Tive minha própria Cia Teatral e meu próprio Espaço Cultural em Curitiba. Acho que quem identificou o meu potencial foi o meu atual sócio, quando me chamou para fundarmos nossa primeira startup em 2013. A partir desse momento, comecei a estudar mais sobre empreendedorismo e percebi que eu tinha feito isso a vida inteira. Quanto à mulher empreendedora no Brasil, já avançamos bastante mas a luta só chega ao fim no dia em que os números forem equivalentes. Somos 50% da população brasileira, mas apenas 11% de CEOs são mulheres. Sou fundadora de duas startups, CEO de uma delas, ganhei competições internacionais de pitch e continuo lutando para vencer e é isso que nós mulheres devemos fazer. Somos fortes e estamos prontas para o mercado sim’’.


‘‘Acredito que podemos ser tudo aquilo que desejarmos se tivermos convicção e, sobretudo, resiliência’’ – Silmara Neves, Fundadora da IQX-Inove Qualyx – São Paulo/SP


Doutora em Química pela Unicamp, Silmara Neves é uma pesquisadora que já contribuiu para a formação acadêmica de muitos estudantes, mas deixou prevalecer o desejo de desenvolver, produzir e comercializar produtos inovadores e atrelados à sustentabilidade. Silmara criou a IQX-Inove Qualyx, uma empresa do setor de química, dedicada à inovação tecnológica na área de resinas poliméricas, aditivos e especialidades. Perguntamos a ela qual a inspiração para seguir se destacando no mercado e ela nos respondeu que a inspiração é decorrente das inúmeras possibilidades de atuação. ‘‘Há muita carência de inovação no mercado nacional e muito a fazer. As dificuldades são enormes, principalmente, pela falta de cultura inovadora, mas cada passo nessa direção nos dá muita alegria e inspiração para continuar. Não posso deixar de mencionar que a competência e alegria da minha sócia Carla Fonseca, ao desenvolver os produtos IQX, são contagiantes e, sem dúvida, inspiradores”. Silmara acredita que as mulheres podem ser tudo aquilo que desejarem se tiverem convicção e, sobretudo, resiliência. ‘‘Muitas e muitas vezes é necessário enfrentar e superar grandes obstáculos para que uma ideia inovadora se concretize e tenha aceitação, inclusive comercial. Portanto, é preciso desenvolver a capacidade de lidar com problemas, adaptar a mudanças, superar obstáculos, e claro, resistir à pressão de situações adversas. O sucesso virá como consequência desta postura”.


‘‘Com o passar dos anos, as mulheres estão ganhando espaço e os homens estão percebendo nosso potencial” – Barbara Nicolau, CEO da Dreamkid Studio – Manaus/AM


Quem comanda a empresa focada na produção de conteúdo digital lúdico e educativo para o público infantil é a manauense Barbara Nicolau. Formada em Design e CEO da startup Dreamkid Studio, Barbara desenvolveu a startup com o objetivo de auxiliar no aprendizado de crianças, através de jogos, histórias, vídeos e atividades que ajudem no seu desenvolvimento físico, psicológico, intelectual e social. Para ela, as empreendedoras brasileiras estão subindo degraus importantes com o decorrer dos anos, porém ainda existe um obstáculo a ser vencido. ‘‘Nascemos dentro de uma cultura em que os homens assumem posições de liderança e destaque. Adquirimos por muito tempo uma herança de homens confiantes e mulheres cautelosas. Mas com todas as oportunidades e programas de conscientização, estamos superando esse obstáculo. A transformação de uma cultura requer tempo. Com o passar dos anos, as mulheres estão ganhando espaço e os homens estão percebendo nosso potencial”. Questionamos então sobre qual o papel do homem na vida de uma mulher que busca empreender e Barbara nos deu a seguinte resposta:

“O homem da minha vida me escuta, apoia e sempre reflete comigo sobre os aprendizados que posso retirar de momentos difíceis, que podem variar entre alteração de humor ou quando me deparo com surpresas realmente desagradáveis. Tem dias que eu não quero levantar da minha cama, mas ele me apoia e seguimos juntos. Precisamos de homens que nos ajudem a pensar com a razão, entendam nossos compromissos e que nos impulsionem a trilhar caminhos de sucesso”.


‘‘Acredito que qualquer mulher e qualquer homem possa ser um empreendedor de sucesso. Grandes ideias dependem de competência’’ – Vanessa Alekssandra, Fundadora da Startup Espichamos.com – São Paulo/SP


Publicitária e mãe, Vanessa encontrou uma forma de promover o consumo consciente ao desenvolver um marketplace por meio da venda, compra, troca e doação de artigos infantis e de um serviço de Chá de Bebê online que reverte em dinheiro os presentes para o enxoval. Perguntamos se ela encontrou o sucesso e ela nos respondeu que o sucesso é algo que pode ter significados diferentes de pessoa para pessoa. ‘‘Hoje, para mim, ter sucesso significa ter qualidade de vida, ficar mais tempo com meus filhos, poder acompanhar a educação deles e trabalhar em um negócio em que acredito com todas as minhas forças. Independentemente disso, acredito que qualquer mulher e qualquer homem possa ser um empreendedor de sucesso, já que a história de tantas empresas e seus líderes e criadores têm mostrado que grandes ideias não dependem de faculdade, de herança, ou de determinadas qualidades comportamentais. Dependem de competência’’.

E, pensando em todas as empreendedoras do país, o Sebrae está com as inscrições abertas para o Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2017. O Sebrae reconhece e premia as melhores iniciativas femininas no empreendedorismo no Brasil. As candidatas vão concorrer a um troféu, ao selo de de vencedora e a uma capacitação em território nacional. O prazo final para se inscrever é 31 de março de 2017 no site http://www.mulherdenegocios.sebrae.com.br/. Participem!

inovativa@inovativabrasil.com.br