Posts

No ciclo 2020.2, InovAtiva Brasil mostra que o país respira inovação e seu empreendedorismo vai além do Vale do Silício

Com sete anos de existência, mais de 10 mil projetos submetidos, 1064 startups aceleradas e mais de 30 mil empreendedores impactados, o InovAtiva Brasil, maior programa de aceleração de startups da América Latina, chega a sua segunda edição de 2020.

De 29 de junho a 3 de agosto, startups de todo o Brasil, que atuam com qualquer segmento, poderão se inscrever para o ciclo 2020.2 pelo site do programa. Até 160 startups serão selecionadas para receber mentorias, fazer treinamentos de pitches e se apresentar para a maior banca de investidores, grandes empresas e parceiros do país.

Nesta edição, o programa terá como tema “Além do Vale do Silício: um Brasil que respira inovação” e pretende mostrar como as 75 comunidades de startups existentes no país promovem um lugar favorável para o desenvolvimento de novas tecnologias e soluções para problemas nacionais.

Em meio a mais de 12 mil startups, segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), 13 negócios unicórnios e milhares de pessoas comprometidas em entregar produtos e serviços com soluções eficientes, o InovAtiva Brasil se revela como uma importante ferramenta para a construção de um país onde o empreendedorismo tem papel fundamental para a sociedade e economia. 

Até o momento, o programa já realizou mais de 80 eventos e treinou cerca de 2 mil startups para conexão com seus públicos de interesse. Para saber mais sobre a oportunidade de participar do InovAtiva Brasil 2020.2, fique atento ao nosso site: https://www.inovativabrasil.com.br/ciclo20202/

160 startups são pré-aprovadas para participar do InovAtiva Brasil 2020.1

Foram quase 700 startups de todo o Brasil inscritas para participar do ciclo InovAtiva Brasil 2020.1. Depois de uma intensa e rigorosa triagem, realizada por avaliadores experientes, foram pré-selecionadas 160 soluções para ingressar no próximo ciclo do programa.

“As startups pré-selecionadas passam por uma entrevista com um gestor de relacionamento, para garantir que ela se enquadra mesmo no público do programa e no tipo de startup que estamos buscando. É uma forma de termos certeza de que o conteúdo que será disponibilizado durante o ciclo de aceleração se enquadra no que as startups estão procurando”, comenta Arthur Coelho, da Coordenação de Startups do Sebrae Nacional e avaliador do InovAtiva Brasil.

Giovana Della Pasqua, Diretora da VLSUL, também atua com a triagem das startups que participam do programa. Segundo ela, em três anos como avaliadora, já teve a oportunidade de conhecer mais de 80 projetos e sempre se coloca à disposição para avaliar novas ideias, seja na primeira ou na segunda fase.

“O programa é de grande valia às empresas, com mentores experientes, dinâmicas atuais e gratuito aos participantes. É incrível para aqueles que talvez não tenham tanta familiaridade com inovação, gestão, comercialização, escala e marketing. Estes pontos são prioritários para o negócio ganhar tração e o InovAtiva atende muito bem estes pontos”, afirma Giovana.

Agora, entre os dias 6 e 24 de abril, essas empresas terão que realizar um curso preparatório para empreendedores e, em seguida, serão entrevistadas, de forma online, pelos gestores de relacionamento do InovAtiva Brasil. Até o dia 27 de abril, será divulgada a lista final das startups que irão participar da primeira edição de 2020 do maior programa de aceleração de startups da América Latina.

“Durante o ciclo de aceleração, as startups selecionadas devem participar de algumas atividades obrigatórias, como as mentorias e a oficina de pitch. Ao final do programa, aquelas que tiverem realizado todas as atividades serão convidadas a participar do InovAtiva Experience, um evento presencial que acontece em São Paulo e que conta com participação de mentores, investidores e representantes de grandes empresas, num momento que promove muita conexão. As startups terão, ainda, a oportunidade de apresentar o seu pitch para uma banca de investidores”, completa Arthur Coelho.

Critérios de avaliação

Para fazer parte do ciclo de aceleração do InovAtiva Brasil, as startups devem estar em estágio de operação e tração, desenvolverem soluções com modelo de negócios inovadores e/ou escalável, estar constituída como empresa, possuir clientes pagantes ou base crescente de usuários e atuar em um mercado de tamanho representativo.

Para que a seleção seja realizada de forma justa, é criado um formato prioritariamente por membros das equipes de coordenação e execução do programa InovAtiva Brasil e, em determinados casos, por avaliadores externos experientes e com comprovada experiência em avaliação.

Cada startup é avaliada por três membros deste comitê. A distribuição é feita por meio de um algoritmo que não permite que eles atuem em conjunto mais de uma vez. Para que a triagem seja efetiva e rápida, os avaliadores recebem uma planilha online que permite o preenchimento apenas das startups a ele designadas.

Finalizadas as análises, o comitê se reúne para discutir e determinar quais empresas passarão para a próxima fase. De acordo com Giovana, para ser selecionada para o InovAtiva Brasil, a startup deve apresentar um diferencial, se destacar frente às demais inscritas.

“Basicamente, o negócio precisa estar operando, ter clientes e faturar e apresentar uma novidade, seja por meio de algum nicho, tecnologia ou até mesmo questões do negócio. O intuito é que os empreendedores, dentro da sua experiência ou área de atuação, absorvam algo do programa, então o ideal é que eles também estejam dispostos a abrir seus negócios”, finaliza a avaliadora.

O que é equity free? Conheça a nova tendência em programas de aceleração de startups

Para atrair cada vez mais startups inovadoras e ajudá-las a colocar suas ideias em prática, as aceleradoras de startups vêm criando opções de programas em que não há necessidade de realizar um aporte em troca de participação societária na empresa.

O modelo, conhecido como equity free, é o formato utilizado pelo InovAtiva Brasil. O objetivo deste tipo de programa de aceleração é proporcionar networking, gerar conexões e dar suporte metodológico para empresas em diferentes estágios de maturidade. Neles, as startups selecionadas recebem capacitações, sem ceder participação ou contratos de compromisso às aceleradoras.

Abaixo listamos alguns dos principais benefícios que um programa de aceleração de startups equity free podem gerar:

  1. A startup não cede parte da empresa

Programas equity free não cobram participação nem contratos de fidelidade e compromisso, portanto a startup mantém a totalidade de seu capital social;

  1. Investimento feito de forma indireta

Além de todo o conhecimento recebido, os empreendedores têm a oportunidade de apresentar seus negócios para os principais agentes do ecossistema de startups. Essas ocasiões podem gerar conexões que possibilitam parcerias, conquista de clientes e até mesmo aportes, dependendo do objetivo do negócio;

  1. Ampliação das oportunidades

Além do contato com os agentes do ecossistema de startups, os empreendedores também podem realizar networking com os criadores das demais soluções que estão passando pelo ciclo de aceleração, o que ajuda no fomento de parcerias.

  1. Descontos em produtos e serviços importantes para a startup

No InovAtiva Brasil, por exemplo, são oferecidas parcerias com empresas privadas e associações que podem proporcionar benefícios aos acelerados ou em processo de aceleração. Ao todo, são 12 empresas parceiras que oferecem mais de R$ 450 mil em serviços e produtos, como descontos em livros, cursos, eventos, taxas de associação e até mesmo o acesso a ferramentas que facilitam as atividades diárias dos empreendedores.

Ficou interessado? Então fique atento ao nosso site e se inscreva no nosso próximo ciclo de aceleração.

inovativa@inovativabrasil.com.br