Posts

InovAtiva Brasil promoveu palestras, rodas de conversas e workshops durante Hack Town 2019

Entre os dias 05 e 08 de setembro, o programa InovAtiva Brasil marcou presença no Hack Town 2019, em Santa Rita do Sapucaí (MG). O evento juntou tecnologia, música e inovação, gerando ideias diferentes e conexões de impacto aos 6 mil participantes.

O festival contou com mais de 600 palestras, showcases e workshops durante seus quatro dias e chegou a ter 38 atividades simultâneas em diversos ambientes da cidade, como auditórios, teatros, bares, restaurantes e outros locais inusitados. Em sua quinta edição, o Hack Town também promoveu ações noturnas, aumentando o uso dos espaços abertos.

Dentro dessa programação, o InovAtiva Brasil, em conjunto com a Campinas Tech, realizou mentorias e palestras sobre inovação aberta, empreendedorismo e startups; organizou rodas de conversas e participou de painéis nos quais seus Líderes de Comunidade compartilharam suas experiências e conhecimentos. Durante todas as atividades promovidas, impactamos diretamente mais de 80 pessoas.

O programa também ofereceu um workshop trazendo insights e dinâmicas focadas em inovação aberta e trazendo o aspecto estratégico das diferentes formas de promover o Open Innovation. Foi um momento de bastante troca entre startups e grandes empresas.

Além disso, durante o evento, houve um momento para que as startups participassem de pitch sessions e fizessem uma breve apresentação da sua solução aos demais presentes. A Biti9, startup acelerada pelo InovAtiva Brasil 2019.1 focada em serviços para produtividade administrativa e automação robótica de processo, ficou em primeiro lugar no primeiro dia.

“Tivemos uma experiência incrível no Hack Town, em Santa Rita do Sapucaí. Já na chegada à cidade, todos estavam com crachás coloridos, animados e comentando de palestras e aprendizados, ao mesmo tempo em que a euforia apareceu, surgiu a preocupação em fazer um bom pitch para apresentar o Robbi9 (nosso robô SaaS de automação de processos repetitivos). No final da noite, na chegada ao auditório, conhecemos as startups e sabíamos que a concorrência seria grande. Momentos antes de subir ao palco nossa mente traz à tona todo o caminho percorrido, brainstorms, os mentores, a aceleração do InovAtiva, que nos preparou tanto para estar ali. Toda essa dedicação acabou refletindo no resultado: ficamos em primeiro lugar”, finaliza Adalberto Cunha, Fundador e Diretor de Operações da Biti9.

Aderindo ao Setembro Amarelo, Moodar leva gratuitamente conhecimento psicoemocional para empresas

O Setembro Amarelo surgiu de uma iniciativa da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e do Conselho Federal de Medicina (CFM) em associação ao Centro de Valorização da Vida (CVV) com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre o problema do suicídio. A partir daí, diversos governos, entidades e empresas passaram a usar esse mês para promover o cuidado psicoemocional para evitar que as pessoas tirem a própria vida.

Uma das empresas que aderiram a causa é a Moodar, startup acelerada pelo programa InovAtiva Brasil 2019.1 que tem a missão de estimular a felicidade, combatendo a ansiedade de forma inteligente, eficaz e acessível. Ela une psicologia, design e data science para incentivar o acolhimento integral do indivíduo, cuidando assim do seu psicoemocional tanto no nível individual quanto no organizacional.

“Desenvolvemos conteúdos e ferramentas de gestão para o combate à cultura da ansiedade nas organizações. Acreditamos que somos únicos no sentido de nos propormos não como intermediários entre paciente e profissional, mas como uma solução integrada para pessoas e empresas”, afirma Felipe Farias, CEO e fundador da Moodar.

Durante o Setembro Amarelo, a startup levou informação sobre saúde psicoemocional e prevenção ao suicídio gratuitamente para diversas empresas, aumentando o alcance dos esforços de conscientização sobre o tema. Afinal, segundo o empreendedor, o principal meio de prevenção ao suicídio é falar abertamente sobre o assunto e facilitar o acesso a profissionais especializados.

“Quando analisamos que 97% dos suicídios acontecem em função de transtornos psicoemocionais não tratados adequadamente e que 90% deles poderiam ser evitados, concluímos que é impossível não perceber esse problema como algo urgente e fazer algo a respeito. Por isso criamos este projeto para levar conhecimento sobre cuidado psicoemocional nas empresas, gratuitamente, durante o Setembro Amarelo”, comenta Farias.

Causas do suicídio

A ideação suicida pode ser decorrência de uma série de transtornos que tratados por meio da plataforma, como ansiedade e depressão. Segundo a Revista Brasileira de Psiquiatria, os casos de suicídio entre jovens (18 a 25 anos) cresceram 10 vezes no país desde o fim da década de 1980; entre os homens, esse aumento foi de 20 vezes.

“De acordo com a Organização Mundial da Saúde, vivemos uma epidemia global deste transtorno e o Brasil, com mais de 19 milhões de casos, é proporcionalmente o país mais ansioso do mundo. No entanto, menos de 4% dos brasileiros chegam a conseguir tratamento em função de uma série de obstáculos estruturais”, observa o empreendedor.

Sabendo disso, a Moodar oferece acompanhamento psicológico por meio de uma plataforma online mais barata, fácil de usar, acolhedora e inteligente. Seus profissionais são capacitados para realizar uma abordagem efetiva de “primeiros socorros” e intervenção no atendimento ao paciente em estágio de ideação ou preparação.

21 startups aceleradas pelo InovAtiva Brasil são selecionadas para o Startup Indústria 4.0

Com o intuito de conectar grandes empresas a empreendedores, o programa Startup Indústria 4.0, promovido pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com Portugal, selecionou 120 startups para participar da sua segunda edição. Destas, 117 são brasileiras e, dentre elas, 21 foram aceleradas pelo InovAtiva Brasil.

O projeto prevê R$ 4,8 milhões em premiação para as startups que se relacionarem com indústrias brasileiras e portuguesas, desenvolvendo soluções inovadoras e tecnologias 4.0. A expectativa é que até junho de 2020 seja feito o match de, pelo menos, 60 startups com 30 indústrias.

De acordo com a ABDI, as selecionadas já desenvolveram 190 soluções, participaram de 252 programas de promoção à inovação, 147 programas de fomento ao empreendedorismo e empregam 452 pessoas. Ao todo, foram realizadas 499 inscrições, sendo 296 aprovadas na primeira fase da seleção.

Na etapa seguinte, 120 projetos de 17 estados brasileiros se destacaram. As regiões com maior representatividade foram Minas Gerais (26%), São Paulo (25%) e Santa Catarina (16%). Agora, as selecionadas serão conectadas virtualmente com as indústrias que necessitem de suas competências. Em novembro, a ABDI promoverá o CoDiscovery Lab, evento para que todos os envolvidos se encontrem presencialmente.

Confira abaixo a lista com as startups aceleradas pelo programa InovAtiva Brasil que foram escolhidas para participar do Startup Indústria 4.0:

  • APTAH Bioinformática
  • BirminD Automação e Serviços
  • Cheap2Ship
  • CUBI Soluções Empresariais
  • Curvaflex Solucoes de Engenharia
  • Cybersecurity Seguranca Cibernetica
  • DriveOn Telemática
  • Hedro Sistemas Inteligentes
  • Inova GS
  • Mob – Consultoria e Projetos de Negocios e Engenharia
  • NanoScoping Soluções em Nanotecnologia
  • NetResíduos
  • Olho do Dono
  • Prevention Comercio de Artigos Opticos
  • Proativa Desenvolvimento de Sistemas
  • R M T Tage Biaggio Eireli
  • RC – Desenvolvimento e Treinamentos
  • Reciclapac Soluções para Embalagens
  • Ubivis Desenvolvimento de Programas de Otimizacao Industrial
  • Zumpy Mobilidade Urbana Sustentavel

Confira a lista completa em: http://ow.ly/5gAV50vMZi2

Conheça as 112 startups que vão participar do Ciclo 2019.2

Após 585 inscrições e um criterioso processo de avaliação, 112 startups foram selecionadas para participar do programa InovAtiva Brasil – Ciclo 2019.2. Representantes de todas as regiões do país, as aprovadas são provenientes de metade dos estados brasileiros.

Em comparação com o ciclo 2019.1, as startups da região sudeste do país aumentaram sua presença em 18 pontos percentuais, sendo que o estado de São Paulo permaneceu na liderança, com 34 empresas aprovadas.

Perfil das startups aprovadas

Formalizadas como empresas, as startups selecionadas estão em estágio de operação (69,64%) ou tração (30,36%). Delas, 70 estão com uma base crescente de clientes e faturamento anual de mais de R$ 360 mil (26%). Elas são voltadas com para o público B2B (59,82%) e possuem vínculo com grandes empresas (53%).

Além disso, essas startups atuam, prioritariamente, nos segmentos de serviços, saúde e educação. Com modelo de negócios SaaS (51,8%), 108 das empresas possuem funcionários full time e 57% delas estão contratando. O InovAtiva será a primeira experiência de aceleração da maioria das startups, já que 71% delas nunca passou por uma aceleradora e 60% nunca esteve em uma incubadora.

Das aprovadas, 33 empresas já captaram algum investimento, sendo 51,52% provenientes de Investidores Anjo. O valor do aporte de 76% destas foi superior a R$ 100 mil. Mesmo assim, o objetivo de 56% das startups é ter a oportunidade de conquistar investimento e se conectar com grandes empresas.

Veja a lista completa.

Conheça os oito ramos de atuação das cleantechs

As Cleantechs, também chamadas de “Startups Verdes”, são empresas inovadoras e sustentáveis que utilizam tecnologia limpa para melhorar a produtividade, performance, operação e eficiência de determinado cliente ao mesmo tempo em que ajudam a reduzir custos, facilitar processos e diminuir desperdícios.

Segundo o Mapeamento do Ecossistema de Startups de Cleantech no Brasil, fruto da parceria entre o FGVces, a COPPE/UFRJ, a Abstartups e a EDP, e viabilizado pelo Programa P&D ANEEL, o Brasil tem 136 empresas deste segmento. Dentre elas, São Paulo é o estado que concentra o maior número de cleantechs (43%).

Ainda de acordo com o relatório, elas operam, predominantemente, com modelo de negócio B2B ou B2C (52%). A pesquisa também classifica as Cleantechs em oito divisões de acordo com a sua área de atuação: Energia Limpa, Armazenamento de Energia, Eficiência, Transporte, Ar & Meio Ambiente, Indústria Limpa, Água, Agricultura.

Entre as aceleradas no programa InovAtiva Brasil podemos ver exemplos de startups de cada uma dessas categorias:

Energia Limpa

A Sunne Sistema de Web Ltda visa democratizar o acesso de energia renovável para o consumidor final, mediante compartilhamento de créditos de energia limpa. Para isso, a startup acelerada pelo InovAtiva Brasil 2018.1 une mini usinas de geração distribuída de energia renovável à unidades consumidoras, proporcionando economia mensal para o consumidor residencial ou de pequenos comércios (sem necessidade de investimento inicial) e aumentando o retorno financeiro da usina em até 80% comparado ao modelo tradicional.

Armazenamento de Energia

A Sami Sistemas de Energia Ltda. desenvolve um avançado sistema de armazenamento de energia com baterias de lítio e gerenciamento eletrônico (BMS). Com mais de nove anos de experiência, a startup acelerada pelo InovAtiva Brasil 2018.1 analisa a química de baterias de lítio para cada aplicação e realiza o monitoramento em tempo real por IoT das principais condições da bateria. Além disso, a bateria da Sami tem maior autonomia, tempo de recarga até 16 vezes mais rápido, baixo custo operacional, maior vida útil e não exala gases tóxicos.

Eficiência

A CUBi torna a energia elétrica visível aos gestores oferecendo uma solução completa de monitoramento e gestão de energia elétrica focada na identificação de desperdícios e otimização do uso de energia elétrica. A startup acelerada pelo InovAtiva Brasil 2017.2 foca na experiência do usuário e utiliza inteligência computacional para oferecer informações e insights em tempo real para que gestores possam tomar as melhores decisões e alavancar oportunidades de eficiência energética.

Transporte

A Caronear é uma plataforma para compartilhamento de caronas. A startup acelerada pelo programa InovAtiva Brasil 2018.2 tem como foco o meio corporativo, universidades e escolas. Por meio de um aplicativo, a empresa conecta pessoas de uma mesma instituição, que tenham em comum um ponto final e/ou inicial, oferecendo o melhor trajeto para atingir esse objetivo. Com isso, proporciona a redução do número de carros nas ruas, ajudando na conservação do meio ambiente (cada carro emite uma tonelada de CO2 por ano) e na melhora do tráfego urbano.

Ar & Meio Ambiente

A ACT Sistemas desenvolve uma solução para automatizar o processo de fiscalização da fumaça preta emitida por chaminés industriais. Por meio de um sistema, a startup acelerada pelo programa InovAtiva Brasil 2016.1 captura as imagens e apresenta, automaticamente, o respectivo índice de poluição, permitindo uma fiscalização contínua, íntegra, geradora de provas e que interage com a equipe ambiental local com alertas digitais e/ou sonoros quando os limites de poluição permitidos e configurados forem ultrapassados.

Indústria Limpa

A Polen, escolhida como destaque na categoria B2B do programa InovAtiva Brasil 2018.2, atua como um marketplace que conecta indústrias que geram resíduos com aquelas que utilizam sobras como matéria prima. A empresa realiza toda a parte de transporte, logística, seguro ambiental para cobrir os possíveis acidentes ambientais no transporte da carga e o seguro da carga em si. Além disso, a Polen oferece um relatório de sustentabilidade para todos os clientes que utilizam a plataforma por um ano e um selo de certificação ambiental a partir do quantitativo de uso que ele tem de matéria prima. Esta é a única empresa do setor que faz fulfillment, ou seja, pagamento com garantia de entrega, certificação e compra dentro do mesmo espaço.

Água

A EkonoWater fornece soluções completas para eliminação de 100% do consumo de água potável em vasos sanitários e redução de até 20% da geração de esgoto. Isso porque a startup acelerada pelo InovAtiva Brasil 2018.2 trabalha com a reutilização de água cinzas (chuveiro e lavatório) filtrada e tratada e também com o aproveitamento de água de chuva. Por meio de cisternas, dispensers e reservatórios que, juntos, acumulam, filtram e tratam águas cinzas para posterior utilização no vaso sanitário, a empresa resolve o desperdício de mais de 70% de água potável utilizado com higiene pessoal que é jogado ralo abaixo.

Agricultura

A Sensix, startup acelerada pelo programa InovAtiva Brasil 2016.2, fornece serviços de levantamento aéreo, processamento e análise de dados para agricultura utilizando Veículos Aéreos Não Tripulados, também conhecidos como drones. Com seus sensores multiespectrais, possibilita a identificação de padrões de reflectância nas plantações que representam anomalias específicas, contribuindo assim para a tomada de decisão no manejo da lavoura.

Glossário Startupês – Conheça os termos usados para falar sobre ramos de atuação

Você já deve ter ouvido falar em “fintech”. Um dos termos mais conhecidos no Brasil no que se refere a startups, é utilizado para designar empresas que usam a tecnologia para aprimorar serviços financeiros, como remessas de dinheiro para o exterior, conta corrente em banco, empréstimos, entre outros.

Porém, este é apenas um dos segmentos de atuação de startups. Abaixo, listamos outros termos utilizados para nomear os diversos tipos de empresas tecnológicas existentes no mercado:

  • AdTech: sinônimo de Madtech, a expressão designa startups que atuam com publicidade e propaganda e criam tecnologia para convergência de mídias, análise de big data e distribuição de anúncios em mídia programática descentralizada;
  • AgTech: também conhecido como Agrotech, esse termo se refere a empresas que desenvolvem técnicas ou softwares para aprimorar práticas agrícolas;
  • AutoTech: esse é o nome dado para startups que desenvolvem soluções voltadas para mobilidade, transporte, logística e indústria automobilística;
  • Biotech: empresas de biotecnologia que produzem equipamentos e soluções para melhorar a vida humana;
  • Construtech: iniciativa que surgiu para melhorar os problemas, facilitar processos e gerar valor para o setor de construção;
  • Cleantech: também denominada de Greentech, essas empresas desenvolvem soluções tecnológicas e modelos de negócios para minimizar o impacto ambiental das empresas;
  • EdTech: o termo é usado para designar inovações na área de educação com o intuito de facilitar a aprendizagem e melhorar o desempenho dos alunos por meio de aplicativos móveis, mídia social, Inteligência Artificial, entre outras tecnologias;
  • Femtech: criada para denominar startups que desenvolvem produtos voltados para o público feminino, hoje a expressão também se refere a

iniciativas defendidas por empresas e associações, que combinam feminismo e tecnologia para erradicar a desigualdade de gênero;

  • Foodtech: entrega de alimentos, cozinheiros automatizados, impressoras alimentícias 3D, aplicativos para verificar a quantidade de calorias nos alimentos são alguns exemplos de startups do setor que desenvolve soluções para o mercado alimentício;
  • Health Tech: voltadas para o setor de saúde, essas startups criam tecnologias para otimizar o atendimento ao paciente em geral, como aplicativos para marcar consultas médicas, máquinas para consulta oftalmológica, plataformas de monitoramento dos sinais vitais dos pacientes, entre outras.
  • HRtech: designação das empresas que empregam tecnologias inovadoras para aprimorar a área de Recursos Humanos;
  • Insurtech: essas soluções beneficiam consumidores das indústrias de seguros, financeira e imobiliária com a criação de novos mecanismos de medição de risco;
  • LegalTech: também chamadas de Lawtechs, essas startups desenvolvem tecnologias para o ramo jurídico;
  • Martech: utilizando bots, algoritmos, big data e data analytics, as Martechs contribuem para alavancar as vendas revolucionando o marketing digital;
  • Proptech: voltada para a corretagem de imóveis, esses negócios se baseiam em blockchain, realidade virtual e aumentada, IoT e geolocalização;
  • Regtech: com ferramentas para aprimorar as atividades regulatórias, essas startups têm como intuito garantir a integridade financeira e proteção de dados do consumidor;
  • Retailtech: destinadas aos mercados de varejo e consumo, essas empresas desenvolvem tecnologias para melhorar a experiência de compra;
  • SportsTech: tecnologias usadas para criar uma solução para o mercado esportivo. Elas podem ser voltadas para Atividade e Performance, Organização e Gerenciamento, Engajamento de Fãs ou Jogos e Apostas;
  • Wealthtech: o objetivo das startups que atuam nesse ramo é desenvolver serviços e produtos de investimento alternativos para gerenciamento de patrimônio.

 

Ficou curioso para conhecer mais termos do universo do empreendedorismo? Já falamos um pouco sobre termos relacionados à tecnologias utilizadas por startups e a termos ligados a investimentos.  Continue acompanhando as novidades do nosso blog e conheça ainda mais!

POX e InovAtiva Brasil firmam parceria

A startup Pox e o InovAtiva Brasil são agora parceiras. Criada em Porto Alegre, o Pox é uma startup focada no conhecimento compartilhado. Sua plataforma digital proporciona uma interação do público com o conteúdo.

Durante o Bootcamp Nacional do InovAtiva Brasil, ocorrido em São Paulo no dias 20 e 21 de julho, as startups participantes e o público puderam interagir e trazer suas impressões sobre a programação do evento, votando no conteúdo que mais gostaram.

Criado em 2016, o Pox visa “dar voz a quem não tem voz” e subverter a lógica de conteúdo em que “um fala e os outros escutam”, criando maneiras de colocar o público como protagonista e tornando cada momento de interação único.

Na plataforma digital, é possível criar interações de diversas formas, como nuvens de palavras, perguntas de múltipla escolha, sim e não, avaliações de 0 a 5 estrelas e até mesmo o envio de perguntas do público, tudo com um simples acesso ao QR Code ou link pelo celular.

A mudança na construção do conhecimento é visível e o InovAtiva busca sempre proporcionar essa evolução em seus programas e eventos.

Acompanhe os próximos programas InovAtiva e conheça o Pox.

Conheças a Smart-Tech, startup destaque do InovAtiva Brasil

Entre os dias 20 e 22 de julho, 86 startups participaram do Bootcamp Nacional e Demoday InovAtiva Brasil 2019.1. O evento, realizado na Escola de Negócios do Sebrae, em São Paulo, destacou as 12 empresas com os pitchs mais atraentes. Entre elas está a paranaense Smart-Tech Controle e Automação.

Focada em desenvolvimento de produtos para a indústria, a startup se sobressaiu na Banca 1: Educação, Indústria e Setor Financeiro. Confira abaixo a entrevista que fizemos com Tiago Machado, Diretor na Smart-Tech, para saber mais sobre o negócio:

Conte sobre a trajetória da sua empresa. Quando vocês começaram?

TM: A Smart-Tech foi fundada em Curitiba no ano de 2011, porém só foi ativada em 2015 quando eu e meu sócio, Guilherme Francescon, deixamos nossos empregos fixos na área de automação para prestar serviços nessa mesma área. Os antigos patrões foram os primeiros clientes e, após uma longa jornada prestando serviços para diferentes indústrias de todo o mundo (Alemanha, República Tcheca, Índia, China, Argentina e Brasil), surgiu a oportunidade de criar um produto que resolvesse uma dor que é sentida por todas as indústrias. Assim nasceu o projeto ST-One.

O que faz a Smart-Tech? Qual é o diferencial da startup?

TM: A Smart-Tech atua na área de Automação Industrial, tendo como diferencial um hardware próprio que hoje é utilizado por outras empresas do mesmo ramo e que, no passado, eram nossas concorrentes.

Em que estágio a startup se encontra? Quantos clientes vocês possuem atualmente?

TM: Nosso estágio atual é o de tração. Já temos um produto validado por grandes clientes como Volkswagen e Bosch e temos mais de 50 dispositivos instalados pelo Brasil.

O que você almeja para o futuro da sua startup?

TM: A Smart-Tech tem o objetivo de ajudar indústrias a atingir o grau de Indústria 4.0 de maneira rápida e sem muitas barreiras. Nosso produto, o ST-One (http://netsmarttech.com/page/st-one), é capaz de atualizar uma máquina até 30 anos, em termos de tecnologia. Com isso, almejamos amadurecer tecnologicamente as indústrias do Brasil e do mundo.

O que o InovAtiva Brasil agregou para a sua empresa?

TM: Participamos do ciclo 2019.1 do InovAtiva. O programa nos surpreendeu muito. Nossos mentores foram escolhidos para cobrir os nossos pontos fracos e, nesses quesitos, o programa conseguiu diagnosticar precisamente as nossas necessidades. Tivemos mentores que conseguiram levar a empresa para um novo patamar. Além disso, a nossa rede de contatos na indústria aumentou consideravelmente, trazendo novos clientes e cases para a Smart-Tech.

Com que objetivo você se inscreveu no programa? Conseguiu atingi-lo?

TM: Nosso objetivo era aprender com pessoas experientes do mercado como podemos escalar o nosso produto e o nosso modelo de negócio. Nossos mentores foram a peça chave nesse processo e, com eles, conseguimos criar um plano de ações futuras da empresa.

Já passou por outros programas de aceleração? Qual a diferença destes para o InovAtiva?

TM: Não passamos por nenhum outro processo de aceleração no passado, mas sabemos que o diferencial do InovAtiva é o impacto a nível nacional que o programa tem.

A empresa tem alguma novidade que gostaria de compartilhar conosco?

TM: Durante o programa, a Smart-Tech abriu duas novas vagas para dar conta das demandas geradas pelas ações tomadas durante o processo de aceleração, inclusive temos em mente que em breve mais vagas serão abertas.

Innovation Summit Brasil 2019 traz ministro de C&T de Portugal e presidente de instituto de tecnologia de Israel

No dia 13 de agosto pela manhã será realizada a primeira plenária do Innovation Summit Brasil 2019, que acontece de 12 a 14 do mesmo mês em Florianópolis – SC. Com o mesmo nome do
tema geral do evento “Ecossistemas de Inovação: Criativos, Conectados e Competitivos”, o debate traz importantes atores de ecossistemas de inovação internacionais, como o ministro de
Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Manuel Heitor, e o presidente do Instituto de Tecnologia Technion, de Israel, Prof. Peretz Lavie.

Na ocasião, serão apresentados cases internacionais de sucesso na articulação dos diversos atores envolvidos em um ecossistema de inovação, com impactos significativos para a economia, o desenvolvimento social e a criação de uma cultura de empreendedorismo e inovação.

Com vasta experiência na área, o atual o ministro de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, Manuel Heitor, é doutor pelo Imperial College, de Londres, e tem pós-doutorado pela
Universidade da Califórnia. É professor catedrático do Instituto Superior Técnico de Lisboa, onde dirige o Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento.

Foi Secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior entre março de 2005 e junho de 2011, envolvendo-se ativamente no crescimento do financiamento público e privado para
atividades de ciência e tecnologia, e na reforma do ensino superior.

Também foi fundamental no desenho e na implementação de consórcios internacionais em pesquisa e formação avançada entre universidades portuguesas e norte americanas,
envolvendo redes temáticas de ciência e tecnologia.

Lançou e coordenou a série de Conferências internacionais sobre “Technology Policy and Innovation” e é co-editor da série de livros sobre “Science and Technology Policy”, editada pela
Purdue University Press. Foi co-fundador, em 2002, da rede internacional “Globelics – the global network for the economics of learning, innovation, and competence building systems”.

Recentemente está ativamente envolvido na promoção da rede europeia “step4EU, science, technology, education and policy for Europe”, assim como no estabelecimento do Observatório
Internacional de Políticas Globais para a Exploração do Atlântico”.

Na mesma linha, o Prof. Peretz Lavie é um dos responsáveis pelo destaque do Technion, de Israel, como uma das 100 melhores universidades de pesquisa de alto nível do mundo, sendo
reconhecido por sua excelência acadêmica, estratégia de pesquisa interdisciplinar, globalização inovadora e estabilidade financeira.

O Prof. Lavie ingressou na Faculdade de Medicina Technion Rappaport em 1975, onde foi reitor entre 1993 e 1999. Em 2001 foi nomeado vice-presidente de Relações Externas e Desenvolvimento de Recursos. Desde 1o de outubro de 2009 é presidente do Technion.

O instituto de tecnologia tem registrado, em seu mandato, uma série de realizações lideradas pelo recrutamento de mais de 200 novos membros do corpo docente, o que envolveu a captação de recursos extensivos. Ao estabelecer o “Prêmio Yanai”, na educação acadêmica, o Prof. liderou uma mudança significativa na qualidade do ensino no campus e na satisfação dos alunos.

Também concebeu e desempenhou um papel importante na expansão do Technion para Nova Iorque, onde, juntamente com a Universidade de Cornell, foi inaugurado o Jacobs Technion
Cornell Institute, em Roosevelt Island. Da mesma forma, na China, o Technion estabeleceu o Guangdong Technion-Israel Institute of Technology, em Shantou.

As inscrições para participar do Innovation Summit Brasil 2019, e suas atividades paralelas, já estão abertas. O segundo lote promocional segue até 31 de maio. Os associados de todas as instituições da Rede Nacional de Associações de Inovação e Investimentos (RNAII) têm descontos especiais na inscrição.

 

Sobre a RNAII

Realizadora do evento, a RNAII é uma iniciativa inédita de colaboração das grandes entidades fomentadoras do empreendedorismo inovador, em prol de todo o ecossistema brasileiro de ciência, tecnologia e inovação. É composta pela Abipti (Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação); ABstartup (Associação Brasileira de Startups); Abvcap (Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital); Anjos do Brasil; Anpei (Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras); Anprotec (Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores) e pelo Fortec (Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia).

Juntas, essas associações representam mais de mais de 150 instituições de pesquisa, 300 gestores de núcleos de inovação, 370 ambientes de inovação (incubadoras, aceleradoras, parques tecnológicos), 120 investidores de venture capital, 5000 startups, 7000 investidores anjos, e 200 empresas inovadoras de grande e médio porte, na colaboração e fortalecimento de ações, públicas e privadas, focadas na transformação do conhecimento em riqueza.

A Sede

Florianópolis não foi selecionada para sediar o evento por acaso. A região abriga, atualmente, mais de 16 mil empreendedores e o número de empresas de tecnologia subiu 3,42% entre 2015
e 2017. Considerando os últimos 30 anos, o crescimento foi de 10.000%.

De acordo com relatório do Bradesco BBI, divulgado em 15 de fevereiro de 2019, Florianópolis tem 3% da população brasileira, mas possui 20% das startups do país. Segundo Acate, o setor tecnológico já representa 5,6% do PIB do estado, com um faturamento de R$ 15,5 bilhões.

 

SERVIÇO

Evento: Innovation Summit Brasil

Data: 12 a 14 de agosto

Local: Centro de Eventos Governador Luiz Henrique da Silveira. Rodovia SC-401, km 01, S/N. Trevo de Canasvieira. Florianópolis – SC.

Site oficial: innovationsummitbrasil.com.br

Programação: innovationsummitbrasil.com.br/programacao

Inscrições: Clique aqui

86 empresas conquistam visibilidade e conexões no maior programa de aceleração de startups da América Latina

São Paulo, julho de 2018 – Entre os dias 20 e 22 de julho, cerca 160 investidores, representantes de aceleradoras e executivos de grandes empresas, estiveram presentes no Bootcamp Nacional e Demoday InovAtiva Brasil 2019.1, realizado na Escola de Negócios do Sebrae, em São Paulo, para conhecer e se conectar com os negócios mais inovadores do país.

Nos dois primeiros dias, as 86 startups participantes receberam mentorias, participaram de palestras, fizeram networking e apresentaram seus pitchs para mentores especializados, recebendo feedbacks e sugestões de melhores. Tudo isso serviu de preparação para o Demoday, realizado no último dia, em que essas empresas tiveram a oportunidade de mostrar suas soluções a maior banca de investidores do país.

“Mudamos o formato do programa para que as startups que chegassem aqui já estivessem maduras e vendendo. Nesse primeiro ciclo de 2019, foram 732 projetos inscritos, 122 selecionados e fechamos esta edição com 86 empresas se apresentando para uma banca com mais investidores do que startups”, afirma Igor Nazareth, Subsecretário de Inovação do Ministério da Economia.

As empresas foram divididas em seis bancas de acordo com o seu ramo de atuação. Elas tiveram cinco minutos para apresentar seus pitchs e mais três minutos para responder as perguntas dos avaliadores. Ao final, foram escolhidas duas startups de cada banca como destaques do programa:

  • Banca 1: Educação, Indústria e Setor Financeiro – OrçaFascio, software de orçamento de obras do Amapá e Smart-Tech Controle e Automação, empresa do Paraná focada no desenvolvimento de produtos para a indústria;
  • Banca 2: Sistemas de Gestão – Meu Crediário, plataforma SaaS de gestão, análise de crédito e cobrança para varejistas alocada em Santa Catarina e MOB, solução de São Paulo para coleta e análise de dados online;
  • Banca 3: Entretenimento, Comunicações, Marketing e Mídia – LeadFinder, plataforma do Paraná que conecta empresas e seus prospects e Widgrid, plataforma para construção ágil e diagramação de múltiplos sites de qualquer porte no mesmo ambiente situada em São Paulo;
  • Banca 4: Saúde, Agronegócio e Energia – Cycor Cibernética, startup de saúde localizada no Paraná que desenvolve tecnologias para reabilitação com foco industrial e Prevention Adam Robo, empresa do Paraná que criou um aparelho e hardware que descobre problemas visuais refrativos em apenas cinco minutos;
  • Banca 5: Serviços de Logística, Comércio Eletrônico e Marketplace – Cheap2ship, plataforma de Santa Catarina que centraliza todas as cotações de frete em um único lugar e Prepi, startup de Pernambuco que oferece um serviço de e-commerce atrelado ao Instagram;
  • Banca 6: Cyber Security, IoT, Inteligência Artificial, Big Data e Chatbot – NoLeak Segurança da Informação, plataforma de autenticação contínua para evitar fraudes online com sede em São Paulo e Previsiown, plataforma digital do Rio de Janeiro desenvolvida para a coleta e análise de dados de veículos automotores.

De acordo com Michele de Souza, CEO da Cycor Cibernética, startup destaque na Banca 4, todo o processo do InovAtiva Brasil foi extremamente enriquecedor. “Nos dois primeiros dias de evento, conseguimos atingir o objetivo que queríamos, que era encontrar um parceiro para nos ajudar a resolver um problema de regulamentação com a Anvisa a respeito da licença do nosso equipamento. Então, ganhar o reconhecimento de destaque no programa foi muito além das minhas expectativas. Só tenho a agradecer ao InovAtiva”, comenta Michele.

Próxima edição

As empresas interessadas na próxima edição podem se inscrever no site do programa até o dia 29 de julho. Para participar é necessário que a startup esteja no estágio de operação ou tração e desenvolva soluções inovadoras e tecnológicas. Serão selecionados até 130 negócios, que receberão mentorias gratuitas e se conectarão aos maiores players de empreendedorismo do Brasil.

Sobre o InovAtiva Brasil

O InovAtiva Brasil é um programa gratuito de conexão e aceleração de negócios inovadores de qualquer setor e região do Brasil, realizado pelo Ministério da Economia e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com execução da Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI). O programa oferece mentorias, visibilidade às startups e conexão com investidores, grandes empresas e parceiros. Entre 2013 e 2018, mais de 2000 startups participaram do programa e cerca de 930 delas chegaram à fase de apresentar suas startups em bancas presenciais com investidores.

inovativa@inovativabrasil.com.br