Posts

Brasil está entre os países que mais criaram unicórnios em 2019

Em 2019, 142 startups se tornaram unicórnios. Elas são, principalmente, dos segmentos de finanças, comércio e compras, análise de dados, transporte, SaaS e saúde. Esses dados são de um levantamento realizado pela plataforma norte-americana Crunchbase.

Com estes novos empreendimentos avaliados em mais de US$ 1 bilhão, totalizam-se 558 unicórnios oriundos de 32 países. Juntas, essas empresas já atingem o valor de US$ 1,9 trilhão e somam US$ 411,2 bilhões em investimentos recebidos.

Segundo o estudo, os Estados Unidos foi o país que mais criou unicórnios no último ano. Ele foi responsável pelo título adquirido por 78 startups. Em seguida, vem a China, com a criação de 22 unicórnios em 2019. Empatados em terceiro lugar, estão o Brasil e a Alemanha, com cinco empresas avaliadas em mais de US$ 1 bilhão.

No Brasil, a quantidade criada em 2019 foi a mesma do ano anterior. Os primeiros unicórnios brasileiros foram: aplicativo 99, PagSeguro, Stone, Nubank e iFood. No ano seguinte, chegaram a este patamar a Loggi, Gympass, QuintoAndar, Ebanx e Wildlife.

Mas não parou por aí. No primeiro mês de 2020, o país já mostrou que tem potencial para criar ainda mais unicórnios. Com apenas 16 meses de operação, a startup Loft, especializada em venda e reforma de imóveis, foi avaliada em US$ 1 bilhão após receber um aporte de US$ 175 milhões no início de janeiro.

A dúvida que fica agora é: quais serão os próximos unicórnios brasileiros?

Conheça a história do Gympass, um dos unicórnios brasileiros

Em junho de 2019, após receber um aporte de U$300 milhões liderado pelo Softbank, o Gympass passou a fazer parte da lista dos unicórnios brasileiros. Com uma rede composta por mais de 50 mil parceiros no mundo e cerca de 800 modalidades diferentes de atividades físicas, a solução tem a missão de ajudar as pessoas a serem mais saudáveis, buscando uma atividade física que elas amem.

Conversamos com Leandro Caldeira, CEO Brasil do Gympass, para saber qual a fórmula para chegar à marca de US$ 1 bilhão em sete anos. Veja abaixo o que ele nos contou:

  1. Conte sobre a trajetória do Gympass. Quando surgiu? Com qual objetivo?

O Gympass foi fundado em 2012 com a missão de acabar com o sedentarismo no mundo. O conceito de saúde e bem-estar por trás da plataforma surgiu enquanto o César Carvalho, CEO e Co-fundador do Gympass, estava com dificuldade em encontrar academias a preços razoáveis enquanto viajava à trabalho. Um ano depois, durante seu MBA na Harvard Business School (HBS), ele se viu pensando em opções de condicionamento físico que fossem flexíveis, acessíveis e, principalmente, divertidas. Foi então que deixou HBS e deu os primeiros passos em direção ao que acabou de tornando o Gympass: um benefício corporativo de atividades físicas, que alimenta uma economia circular proporcionando uma relação de ganha-ganha-ganha entre todos os stakeholders do ecossistema – empresas, usuários finais e centros de atividades físicas.

  1. O que faz o Gympass? Qual o diferencial da startup?

O Gympass é um benefício corporativo que democratiza o acesso a academias e centros de atividades físicas para trabalhadores e seus dependentes com mensalidades abaixo de R$30. No modelo de negócio atual (B2B), a empresa e o funcionário pagam ao Gympass, que remunera o centro de atividade física. Nesta relação, o investimento tem retorno ao funcionário em forma de mais saúde e qualidade de vida; e à empresa em menor sinistralidade médica, menor absenteísmo e maior engajamento e produtividade dos funcionários. Isso torna o Gympass responsável pela criação de uma economia circular e um ecossistema saudável e sustentável. Por ser um benefício exclusivamente corporativo, um          grande diferencial é que o Gympass gera um mercado adicional para as academias – cerca de 80% dos usuários não frequentavam nenhum centro de atividade física no momento em que aderiram ao benefício.

Além disso, como diferenciais, podemos citar a grande capilaridade de localização e modalidades do Gympass: estamos presentes em 14 países, em mais 8 mil cidades, com cerca de 52 mil academias e mais de 790 modalidades de atividades físicas. Desta forma, estamos constantemente aprimorando uma proposta de valor bem atrativa. Cada usuário tem direito a um check-in por dia, que é feito de forma 100% digital por meio de um smartphone. Isso significa que o usuário pode treinar a hora que ele quiser, quando quiser, fazendo a atividade que mais gosta – ou, se quiser, testar alguma nova em algum dia.

Para aprimorar ainda mais a experiência desses usuários e ajudá-los a encontrar uma atividade que amem, o Gympass tem investido fortemente em Inteligência Artificial e Machine Learning – acabamos de abrir um tech hub de Inteligência Artificial em Nova York e adquirimos a Flaner, empresa especializada em Machine Learning e Information Retrieval baseada em Lisboa, Portugal.

  1. Quando a empresa se tornou um unicórnio? O que foi preciso para isso?

O Gympass se tornou um unicórnio em junho de 2019, após receber um aporte de U$300 milhões liderado pelo Softbank. Mas, mais importante do que o título, é o nosso propósito de acabar com o sedentarismo e ajudar as pessoas a serem mais saudáveis. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o sedentarismo é hoje a quarta maior causa de mortes no mundo – 28% ou 1.4 bilhões de pessoas ao redor do mundo são inativas e 3.2 milhões de pessoas morrem anualmente devido aos efeitos da inatividade física.

Acreditamos que esta é uma marca importante que comprova os fundamentos do nosso modelo de negócio ganha-ganha-ganha, gerando valor para todos os stakeholders que participam deste ecossistema, no Brasil e fora.

  1. Para as startups que gostariam de seguir os passos do Gympass, que dicas você daria?

Primeiro, resolver de fato um problema existente. Acreditamos que os negócios com maior potencial de criação de valor de forma sustentável são aqueles que melhoram muito (otimizam) alguma relação. Para isso, tipicamente são utilizadas soluções tecnologicas para escalar e atingir um maior número de clientes e parceiros. Além disso, é importante ter um propósito forte. É isso o que motiva as pessoas a fazerem mais e a se engajarem com o negócio. Também é preciso praticar o que se fala.

No Gympass, mais do que vendermos o acesso à atividade física, nós incentivamos as pessoas (os nossos próprios funcionários, inclusive) a serem saudáveis. Aqui, é frequente as áreas irem treinar juntas, criando uma conexão profunda entre os times. Com estes dois elementos, muita resiliência e a construção de um time de alta performance e motivado, acreditamos que dá para chegar longe.

  1. Quais os principais obstáculos encontrados pela empresa durante o seu crescimento?

Inúmeros são os obstáculos encontrados durante o processo de crescimento de uma startup. No nosso caso, um dos principais obstáculos foi encontrar um modelo de negócio que funcionasse bem para todos os que participam. Inicialmente, o Gympass foi desenvolvido com o objetivo final de vender passes diários de academias diretamente para os usuários finais (pessoas físicas). Depois, fomos aprimorando o modelo com base no feedback de usuários e academias, até convergir para o B2B (corporativo), dado a busca que algumas empresas tinham por uma força de trabalho mais ativa fisicamente.

O ciclo de vendas para uma empresa é bastante longo e vender inovação sempre é um desafio, dado a falta de dados históricos. A expansão internacional também é bastante desafiadora. Para cada país em que nos instalamos, foi necessário realizar um estudo super aprofundado sobre a sua cultura e mercado, iniciar o negócio, contratar os talentos locais.

  1. Existe um passo a passo para se tornar um unicórnio? Por quê?

Não existe uma “receita”. O nosso último aporte foi o que nos mostrou que estamos no caminho certo, que temos um modelo de negócio interessante, sustentável e que pode ser escalável. E, sobretudo, que temos uma grande oportunidade, já que a maioria das pessoas no mundo ainda não pratica atividade física.

  1. Para se tornar um unicórnio, basta receber investimento ou também existem outros fatores que influenciam nesse processo?

“Unicórnio” é só um termo usado no mercado para identificar as empresas com um determinado valor de mercado. Mas o que faz a diferença hoje em dia é o propósito da empresa, para o quê ela existe, e quem sentiria a sua falta caso ela deixasse de existir. O Gympass não prega o corpo perfeito, nem o ditado “no pain, no gain”. Pelo contrário, respeitamos a diversidade, os diferentes estilos e os limites de cada um. Com um propósito bem estabelecido e que inspire as pessoas, o desafio passa a ser definir e aprimorar o modelo de negócio para de fato colocar a empresa na direção do propósito. Mas reforçamos que não existe uma receita pronta.

  1. Existe algo que você gostaria de acrescentar?

Seguindo nosso propósito de ajudar as pessoas a serem mais saudáveis, este ano lançamos nosso serviço para Pequenas e Médias Empresas (PME), para que negócios com menos de 1 mil funcionários também possam contratar o Gympass. Todo o processo é digital: em poucos minutos a empresa consegue contratar o Gympass, e, em poucos dias, já lança o benefício para seus funcionários.

Este ano também nos tornamos uma empresa com presença em todos os estados do país e reforçamos nosso time no Norte, Nordeste, Sul, Centro-Oeste e interior de São Paulo para melhor atender nossos clientes corporativos. Também gerarmos mais benefícios aos nossos parceiros de academias e ampliamos a equipe que atende o setor público. Já temos como exemplo a AFPESP, a Associação dos Funcionários Públicos do Estado de São Paulo, com mais de 250 mil vidas.

Quer se tornar o próximo unicórnio? Veja as principais dicas para ter sucesso nessa missão

Você sabe o que o Gympass, Stone, iFood e 99 tem em comum? Além da inovação e do potencial transformador do negócio no país, essas empresas são consideradas unicórnios. Esse termo é utilizado para chancelar as startups que atingiram o valor de mercado de mais de U$ 1 bilhão com um modelo de negócio escalável.

Na maioria das vezes, começam pequenas, testam seus produtos, adaptam o modelo de negócio e com muita criatividade e inovação, ganham tração no mercado e impactam positivamente milhões de pessoas. Os investidores, sejam eles brasileiros ou não, olham para o ecossistema de startups para encontrar tecnologias que fujam do tradicional, ou seja, algo que seja único, raro, resolva um determinado problema e que dê um retorno imediato.

De acordo com uma pesquisa realizada pela CBInsights, plataforma de inteligência de mercado de tecnologia, em janeiro de 2019 já existiam mais de 325 startups unicórnios no mundo. Já um levantamento feito pelo Distrito em parceria com a KPMG, mostra que ao todo são 16 fundadores entre os unicórnios brasileiros e esse número tende a crescer ainda mais.

Por isso, abaixo listamos algumas dicas para ajudar os empreendedores que almejam chegar nesse patamar:

  • Seja o melhor do seu segmento – para uma startup ganhar notoriedade no mercado e se destacar, é preciso traçar estratégias para ser a melhor do seu segmento de atuação. Ou seja, não importa o que você faça, só é necessário colocar na cabeça que precisa estar em evidência;
  • Tenha foco – esse é um ponto extremamente fundamental para quem quer ter sucesso nos negócios. Por isso, é preciso manter o alerta sempre ligado, entender quais são seus objetivos, traçar metas, estudar e o mais importante, ter um diferencial;
  • Monte uma equipe que vista a camisa da empresa – nenhum empreendedor alcança o sucesso sozinho. Por isso, é essencial ter ao seu lado pessoas que entendam seu propósito e compre sua ideia. Só assim, você terá uma equipe que batalhe pelos mesmos objetivos que você e irá te ajudar a expandir seu negócio;
  • Participe de ciclos de aceleração – participar de programas de aceleração, ter contato com mentores, empreendedores e investidores é importante para fazer sua startup ser ainda mais conhecida no ecossistema e também ajudar a corrigir ou aperfeiçoar alguns pontos do seu negócio. Programas como o InovAtiva Brasil, tem como objetivo promover capacitação, mentoria e conexão aos negócios mais inovadores do país.

Oportunidade

Se quiser saber mais como se tornar o próximo unicórnio, Leandro Caldeira, CEO da startup Gympass, irá palestrar no InovAtiva Experience, que irá ocorrer nos dias 30 de novembro, 01 e 02 de dezembro na Escola de Negócios do Sebrae, em São Paulo, contando um pouco sobre como foi a trajetória da empresa e como a startup se tornou um unicórnio. Para saber mais, acesse: https://www.inovativabrasil.com.br/trilhas-experience/

inovativa@inovativabrasil.com.br